[preview] Confira tudo o que sabemos até agora sobre ‘The Walking Dead: Onslaught’

Pra quem tem um headset de realidade virtual, ‘The Walking Dead: Onslaught’ é um dos jogos mais aguardados desse ano. Se você é fã de ‘The Walking Dead’ como eu, ou curte a temática de apocalipse zumbi, preparei um preview completo, com todas as informações que temos sobre o jogo até agora e algumas curiosidades também. Você sabia que o primeiro jogo VR baseado em TWD foi anunciado antes mesmo de serem lançados os primeiros óculos de realidade virtual? Ou que o ‘Onslaught’ é o terceiro projeto de jogo VR do ‘Walking Dead’? Quer saber quais personagens você vai poder controlar no jogo? Nesse preview eu vou trazer todos esses detalhes, entre outras coisas. Bora lá!

Assista aqui ao preview de ‘The Walking Dead: Onslaught’

O ESTÚDIO
‘The Walking Dead: Onslaught’ tá sendo desenvolvido pela Survios, que é um dos melhores estúdios de realidade virtual da atualidade. Esses caras já fizeram jogos fantásticos, como ‘Raw Data’, ‘Sprint Vector’ e ‘Creed: Rise to Glory’, e aproveitaram esse know-how em ‘Walking Dead’. O jogo conta com a parceria direta da AMC, o canal de televisão que produz e exibe a série. Eu não sei se todos vocês sabem, mas ‘The Walking Dead’ é uma série baseada nos quadrinhos criados por Robert Kirkman. Os quadrinhos foram lançados em 2003 e tiveram quase 200 edições. A HQ chegou ao fim agora, no início desse mês, pegando todo mundo de surpresa.
A série está no ar desde 2010 e esse ano chega à sua décima temporada. Já deu origem também a uma série spin-off, ‘Fear the Walking Dead’, que já tá na sexta temporada. E também resultou em um filme, ainda sem data de lançamento, além de vários jogos e outros produtos oficiais.

HISTÓRIA
‘The Walking Dead: Onslaught’ é baseado na série de TV, mas não tem ligação direta com nenhum episódio ou temporada específica. É uma história autônoma, que mostra os personagens fazendo aquilo que sempre fazem: tentam sobreviver a um mundo pós-apocalíptico infestado de zumbis. Você terá que cumprir várias missões pra obter suprimentos e ajudar os moradores de Alexandria, que é um dos últimos refúgios humanos nesse mundo pós-apocalíptico. A cidade fortificada de Alexandria, localizada no estado da Virgínia, aparece pela primeira vez na quinta temporada da série.

GAMEPLAY
Ainda temos poucas imagens do gameplay de ‘The Walking Dead: Onslaught’. Os únicos vídeos divulgados até agora são o gameplay que o canal UploadVR divulgou em junho, no seu evento da E3. Temos também um vídeo de preview do Nathie, um dos youtubers de VR mais conhecidos no mundo. Ele foi convidado pra ir até a sede da Survios, em Los Angeles, pra fazer um gameplay em primeira mão. No vídeo que postei no canal PSVR Brasil no YouTube, tô trazendo algumas imagens desses gameplays. Pra quem quiser ver os vídeos na integra, vou deixar os links na descrição.
Pelas imagens que temos até agora, podemos ver que o jogo é bastante voltado pra ação e pro survival. É uma pegada um pouco diferente da série, que tem os seus momentos de ação, mas destaca principalmente os dramas que os sobreviventes passam. Pessoalmente, a parte de ação sempre foi minha preferida da série. E pra quem quiser ver drama, eu sugiro os jogos da Telltale.
No jogo, seu objetivo será coletar recursos pra levar pra Alexandria. São suprimentos como comida e combustível, que vão estar espalhados por todos os cantos dos cenários. Ao coletar esses recursos, você ganha XP, que poderá ser usado pra melhorar os seus personagens. Aliás, os personagens terão diferentes habilidades, mas não sabemos mais detalhes sobre isso.

PERSONAGENS
Como a série é feita pela Survios em parceria com a AMC, a gente vai poder entrar na pele de quatro dos mais importantes personagens da franquia: Rick Grimes, Daryl Dixon, Michonne e Carol. O policial Rick Grimes é o personagem principal da história. No primeiro episódio, ele aparece acordando do coma quando a infestação zumbi já começou a toma conta do mundo. Depois, Rick se torna o líder dos sobreviventes. Ele é interpretado pelo ator Andrew Lincoln.
Outro nome bastante conhecido é o caçador Daryl Dixon, vivido pelo ator Norman Reedus. Curiosamente, é um personagem que não existe nos quadrinhos, mas é um dos preferidos do público. Norman Reedus é um nome que está na boca de toda a galera gamer, já que ele é o personagem principal de ‘Death Stranding’, aquele jogo do Kojima que ninguém sabe da onde vem nem pra onde vai. O seu personagem, Daryl, também estrelou outro jogo baseado em ‘The Walking Dead: Survival Instinct’, lançado em 2013, que acabou sendo um fracasso.
Outra personagem bastante querida pelo público é a Michonne, que se torna uma espécie de samurai solitária nesse mundo pós-apocalíptico. Ela é interpretada pela atriz Danai Gurira, que fez a guerreira Okoye no filme do ‘Pantera Negra’ e nos ‘Vingadores: Ultimato’. A primeira aparição da Michonne em TWD é chocante, acho que todo mundo deve se lembrar. Armada com sua katana, ela anda por aí com dois zumbis como “guarda-costas”. O detalhe é que eles tiveram os braços e as mandíbulas decepadas, tornando-se inofensivos para ela.
Fechando o quarteto de personagens jogáveis, temos a Carol, uma mãe de família que começa a série totalmente submissa ao marido, mas que vai se tornar uma mulher extremamente forte e com habilidades de combate invejáveis. Ela é vivida pela atriz Melissa McBride.
O bacana é que todos os personagens do jogo foram dublados pelos próprios atores da série, incluindo alguns personagens secundários. Como o Eugene, que é um dos sujeitos mais covardes e desprezíveis da série, com aquele mullet ridículo.

JOGABILIDADE
Como em todos os jogos da Survios, você vai jogar ‘The Walking Dead: Onslaught’ usando os controles de movimento, os moves no PSVR. Pra andar, é preciso fazer os movimentos com os braços, como se estivesse caminhando mesmo. É um esquema de movimentação que a Survios criou pro ‘Sprint Vector’, o segundo jogo do estúdio. Pra mim, é um sistema de movimentação que casa perfeitamente com a pegada de sobrevivência do ‘Walking Dead’. Mas muitas pessoas não gostam desse tipo de locomoção, por exigir um certo esforço, e a Survios já avisou que os sistemas tradicionais de movimentação também estarão disponíveis.
Em termos de combate, você vai enfrentar os zumbis usando armas brancas e armas de fogo. A empresa criou inclusive uma mecânica em que você pode segurar o pescoço de um zumbi para dar um golpe mais preciso. Essa é uma coisa que a gente vê com frequência na série. Os zumbis sentem os golpes de várias maneiras. Você pode perfurar o corpo deles ou desmembrá-los em várias partes, cortando a cabeça, os braços e as pernas. Todo aquele gore, aquela violência visual da série, foi mantido.

ARMAS
Conforme você avança no jogo, você tem acesso a uma série de armas. O jogo terá algumas armas especiais, que pertencem a determinados personagens da série. No teaser do jogo, pudemos ver algumas delas, como o revólver Magnum do Rick, a besta do Daryl, a faca militar da Carol e a katana da Michonne. Mas na demo, a gente vê a própria Lucille, que é um bastão cheio de arame farpado usado pelo psicopata do Negan. Essas armas especiais são capazes de dar bastante dano.
Durante o jogo, você vai encontrar algumas armas pelo meio do caminho. Algumas têm pegadas diferentes. Em um dos vídeos, vemos um facão que você pode segurar com a lâmina pra frente ou pra trás. Os bastões você vai poder segurar com as duas mãos. Aliás, sobre isso, o produtor Chris Thompson contou que eles fizeram vários testes com bastões de verdade pra alcançar a física mais próxima da realidade, incluindo o peso e o som da arma. Não sei se vocês já perceberam, mas americano adora um bastão né? Pelo que a gente vê nos filmes, praticamente toda casa americana tem um bastão de beisebol que eles usam pra se defender de criminosos ou de assombrações.
Com relação às armas de fogo, já vimos pelo menos três em ação: uma pistola, um fuzil e uma escopeta. A mira delas é bastante intuitiva e você também pode usar as duas mãos pra diminuir o recuo. A mira da pistola fica verde quando o inimigo está no alvo. No gameplay da UploadVR, conseguimos ver, por breves instantes, alguém segurando uma flecha que seria da besta do Daryl. É interessante notar como o estúdio aproveitou mecânicas de combate que já tinha criado pro ‘Raw Data’ e adicionou novas.
Como se trata de um jogo de sobrevivência, você vai precisar procurar por munição e tentar ao máximo não desperdiçar balas. Você tem também uma quantidade limitada de armas que pode carregar ao mesmo tempo. Você também poderá usar explosivos pra mandar pelos ares uma grande quantidade de zumbis. É tripa pra todo lado!!

IMERSÃO
‘The Walking Dead: Onslaught’ promete ser o jogo de zumbi mais imersivo já feito até hoje. Você aparece com um avatar de corpo inteiro e é possível ver sua sombra enquanto caminha. Pra recarregar suas armas, é preciso pegar a munição e colocar na arma, estilo ‘Blood & Truth’. Outro fator que deixa o jogo bem parecido com a série é que os tiros e explosões chamam a atenção dos zumbis. Por isso, é bom saber o momento certo de escolher usar armas brancas. E tem momentos também em que hordas inteiras de zumbis vão escapar de locais onde eles estavam presos e vão pra cima de você.
Mas uma coisa que eu não gostei é a forma como você coleta itens e abre portas. Basta apontar a mão pra porta ou pro item e apertar um botão. Você não precisa fazer os gestos que seriam mais próximos do real. Acho que isso prejudica a imersão. Em contrapartida, o jogo não tem nenhum HUD. O seu medidor de vida aparece no pulso esquerdo. Quando estiver baixo, é preciso coletar kits médicos.

CAMPANHA
A campanha será linear – ou seja, nada de mundo aberto – e poderá ser jogada solo ou em modo cooperativo pra dois jogadores. De acordo com o site UploadVR, a campanha terá duração de quatro horas, com um total de sete missões. Na medida que você progride no jogo, novos e variados tipos de inimigos vão aparecendo. Além disso, o estúdio informou que você poderá repetir as missões pra conseguir itens melhores e upar os seus personagens. A demo que o Nathie jogou começa em um local a cerca de 48 quilômetros da cidade de Alexandria. Você controla Rick, que foi em busca de recursos, e vai se encontrar com Eugene, que está em uma van.
Além disso, o jogo tem ainda um modo “Scavenger”, que pode ser traduzido como “catador”. Esse modo é mais focado pro multiplayer, onde você vai poder buscar itens importantes pra fortalecer o seu povo. Isso é algo que os sobreviventes fazem o tempo todo na série. Essas missões serão geradas de forma procedural, nos vários mapas que o jogo possui. Segundo o site UploadVR, esse modo terá cooperativo pra até quatro jogadores.

LANÇAMENTO
O jogo será lançado ainda este ano, no outono americano. Mas ainda não temos uma data de lançamento específica. Só sabemos que será em uma data entre 22 de setembro e 22 de dezembro. O preço ainda não foi informado. Mas, a julgar pelos lançamentos anteriores da Survios, eu diria algo em torno de 120 reais. Ele estará disponível no Playstation VR e nos PCs – HTC Vive, Oculus Rift e Valve Index. Levando em conta a página do jogo na Steam, o jogo não terá qualquer tipo de localização pro português. Como, aliás, nenhum jogo da Survios tem, o que é uma pena. Terá apenas áudio e legendas em inglês.

HISTÓRICO
‘The Walking Dead: Onslaught’ tem uma grande influência sobre a cultura pop e um peso importante pro renascimento dessa temática de apocalipse zumbi. Como eu disse lá no início, ‘The Walking Dead: Onslaught’ não é a primeira tentativa de se fazer um jogo da franquia em realidade virtual. Em junho de 2015, o estúdio Overkill, criador da série ‘Payday’, anunciou ‘Overkill’s The Walking Dead’. Que teria uma experiência de realidade virtual para um novo headset, chamado de StarVR. Essa experiência VR acabou naufragando junto com o jogo flat da Overkill. Esse jogo recebeu críticas negativas bem pesadas, acabou sendo cancelado nos consoles e teve seu servidor fechado nos PCs. Ou seja, o jogo, que era todo online, morreu. Ah, e o headset StarVR também nunca foi lançado.
No ano passado, a empresa Skybound, que pertence ao criador da franquia, Robert Kirkman, anunciou o jogo ‘The Walking Dead: Saints & Sinners’. Esse jogo seria desenvolvido pelo estúdio Skydance, com lançamento previsto pra esse ano. Mas até agora só foi divulgado esse cartaz. E nunca mais alguém falou desse projeto, que seria focado nos personagens dos quadrinhos.
A Survios e ‘Onslaught’ apareceram por último na parada. O jogo foi revelado em um teaser divulgado em maio desse ano. Em junho tivemos o primeiro gameplay e, em breve, finalmente teremos um jogo VR oficial da franquia Walking Dead. Chega de jogar ‘Arizona Sunshine’ fingindo que você é o Rick Grimes. Agora, você vai poder ser o xerife de verdade.

‘The Walking Dead: Onslaught’ – Gameplay:

‘Wipeout Omega Collection’ vai vir grátis na Plus! Veja como aproveitar melhor o jogo – e sem cinetose!

A PS Plus enfim vai voltar a dar um jogo VR grátis. E não será qualquer coisinha. Em agosto, teremos ‘Wipeout Omega Collection’, pra mim um dos melhores do Playstation VR – e com certeza o melhor jogo de corrida já lançado em VR.

O jogo ganhou suporte ao PSVR em março de 2018 e casa com perfeição com a realidade virtual. Você aparece dentro do cockpit e pode fazer algumas manobras incríveis, como o barrel roll, em que você gira no ar, no melhor estilo ‘Star Fox’.

Confira o gameplay do canal PSVR Brasil

Inscreva-se no canal PSVR Brasil no YouTube!

COMO EVITAR O ENJOO DE MOVIMENTO

Pra quem tem cinetose, o jogo tem várias opções de conforto (no menu Opções de Jogo). A principal delas é a Configuração de Câmera. A opção “Fixar câmera no piloto” é a mais extrema e a que vai dar mais cinetose. “Fixar a câmera na pista” é a mais light e mais indicada pra quem ainda sofre com enjoo de movimento. A opção de “Fixar a câmera no cockpit” é meio-termo.

Além disso, nas Configurações do Headset, você pode optar por usar um efeito que escurece boa parte do cockpit, diminuindo seu campo de visão. Isso também ajuda a lidar com a cinetose. São duas opções: “Pequena” ou “Grande”. Se não tiver cinetose, escolha “Desligado” pra poder enxergar melhor seu entorno. Outra opção é colocar a câmera em terceira pessoa. O movimento fica menor e você consegue se acostumar melhor (no vídeo acima, eu mostro algumas dessas opções).

Pra aproveitar melhor o jogo, outra coisa bacana de fazer é (nas opções de áudio) aumentar o volume dos efeitos sonoros e reduzir a música. Você consegue ouvir o ronco dos motores das naves, aproveitando ao máximo o áudio 3D. Dá até pra saber quando um adversário que está na sua cola está se aproximando e por qual lado ele vai tentar te ultrapassar. Daí, é só colocar um fone de ouvido pra aproveitar ao máximo a experiência.

‘Wipeout Omega Collection’ são três jogos em um (‘Wipeout 2048’, ‘Wipeout HD’ e Wipeout HD Fury’), com três campanhas single player completas e modo multiplayer para até 8 jogadores.

O jogo tem uma demo grátis disponível na PSN. Baixe aqui!

SNIPER ELITE

O outro jogo disponibilizado gratuitamente na Plus é ‘Sniper Elite 4’. Coincidência ou não, em breve teremos ‘Sniper Elite VR’, com suporte à Aim Controller. Então, pra quem nunca jogou, será uma ótima oportunidade de conhecer essa franquia.

Os games estarão disponíveis para download a partir da próxima terça-feira, dia 6 de agosto.

[review] ‘Mini-Mech Mayhem’ é um dos multiplayers mais divertidos do Playstation VR

Desenvolvido pelo estúdio FuturLab, ‘Mini Mech Mayhem’ é mais um jogo exclusivo do Playstation VR. O game está todo em português e é uma ótima sugestão para quem está procurando um multiplayer divertido e diferente pra jogar com os amigos. O review a seguir foi feito no PS4 Pro.

Assista ao review do canal PSVR BRASIL:

‘Mini Mech Mayhem’ é uma mistura de jogo de tabuleiro e jogo de cartas em realidade virtual. Você controla um “mini mecha” em um tabuleiro quadriculado que parece um tabuleiro de xadrez. Seu objetivo é marcar três pontos, seja destruindo os outros mecas, seja coletando uma moeda.

Você pode mover seu “mecha” em quatro direções ou atirar em oito direções. Mas você não mexe diretamente nos bonecos. A ação ocorre em turnos e você precisa programar as suas ações todas de uma vez. É aí que começa a bagunça e a coisa fica divertida.

Você precisa tentar se antecipar aos inimigos, prevendo os movimentos deles, se quiser sair com a vitória. Mas aí entra outro fator que deixa tudo ainda mais caótico: as cartas de interceptação. Cada interceptação tem um efeito diferente, que pode te beneficiar e atrapalhar os adversários. Por exemplo, você pode jogar uma carta para fazer o adversario andar uma casa a mais e cair direto numa armadilha. Ou fazer a arma dele travar quando ele estiver tentando te acertar um tiro. São muitas as possibilidades e essa é a grande graça do jogo.

‘Mini Mech Mayhem’ é extremamente estratégico, mas ao mesmo tempo tem muita chance de tudo dar errado. Por isso ele é tão divertido. Com certeza vai ser melhor aproveitado jogando com os amigos. Você pode criar salas com outros três jogadores, mas não é obrigatório ter quatro para a partida começar. Dá para jogar um contra um, ou contra outros dois jogadores. Sempre cada um por si.

Também dá para enfrentar o computador em três níveis de dificuldade, mas não existe uma campanha propriamente dita. No lugar disso, o jogo traz um tutorial completo e 30 níveis extras que funcionam como desafios. Conforme vai jogando as partidas e completando desafios, você vai subindo de nível. A cada nível novo, você recebe um item aleatório pra customizar o visual do seu “mecha” e do seu avatar. As combinações são inúmeras e incluem também dancinhas e emotes.

O jogo tem uma sensação de presença muito bacana, transmitindo bem a impressão de que você está diante de outros jogadores. Você pode fazer gestos pros outros jogadores e conversar usando o microfone. Graficamente, está belíssimo, muito bem otimizado pro Playstation VR.

VALE A PENA?

‘Mini Mech Mayhem’ é perfeito pra quem busca um multiplayer pra jogar com os amigos e acredita que se divertir é muito mais importante do que vencer. O preço de lançamento ta bem atraente. Eu recomendo. Nota: 10/10.

Este review foi feito com copia digital gentilmente cedida pelo estúdio FuturLab.

[Review] ‘Falcon Age’ é uma aventura única no Playstation VR

‘Falcon Age’ é um jogo de aventura em primeira pessoa diferenciado. Nele, você assume o papel da jovem Ara, que adota um filhote de falcão enquanto está aprisionada por robôs em uma cela. Nesta história, os humanos foram dominados pelas máquinas e vivem acuados. O jogo é focado na história e na interação de Ara com os demais personagens que vão surgindo pelo caminho. Porém, os diálogos são todos em texto, sem dublagem. Você pode escolher as respostas, mas o mecanismo usado pra isso não funciona como deveria.

O grande charme do jogo, claro, é a sua relação com o falcão. Com a ajuda dele (na verdade “dela”, já que é uma fêmea), você vai enfrentar inimigos, caçar, coletar recursos ou mesmo desativar minas. A mecânica é simples e funciona bem. Cumprindo algumas missões, você recebe itens pra customizar o visual da ave. Alguns conferem habilidades especiais. E tem até brinquedinhos pra sua amigona. A única coisa que senti falta foi de acompanhar o crescimento do falcão. Quando o jogo começa, ela é apenas uma bolinha de penas e quando você percebe ela já virou uma ave de rapina adulta, linda e imponente. Acredito que faltou desenvolver melhor essa relação entre humano e animal.

O game tem um mapa relativamente extenso pros padrões do PSVR e você pode explorá-lo livremente pra coletar recursos, cumprir missões principais e secundárias ou participar de alguns mini-games. Os recursos servem pra você preparar receitas que dão boosts temporários. Mas você também pode vendê-los em troca da moeda do jogo, pra comprar itens mais úteis.

Você pode jogar usando dois Moves ou o Dualshock 4. Com os Moves, a imersão é maior e você pode acariciar a ave ou cumprimentá-la. Com o controle tradicional, vários truques são feitos apertando o quadrado. Com os Moves é melhor pra usar o bastão que você usa pra dar golpes, quebrar coisas e abrir portas.

As opções de conforto incluem teleporte e giro em graus. O jogo não possui localização pro Brasil – os textos, menus e legendas vêm em inglês. O menu não te dá a opção de alterar o idioma, mas se você mudar o idioma do seu console (nas configurações do sistema), poderá jogar em espanhol. Eu sempre dou essa dica porque nem todo mundo conhece essa artimanha e o espanhol é uma língua mais amigável pros brasileiros que não sabem inglês.

Exclusivo do PS4, ‘Falcon Age’ também pode ser jogado em tela plana, sem o Playstation VR. O menu principal te dá duas opções de jogo, sendo uma mais focada no combate. Na outra, o combate é “opcional”. O jogo tem gráficos bonitos, com um visual estilo cartoon. Nesse quesito, a única falha é a demora no carregamento de alguns elementos do cenário (principalmente da vegetação), que surgem do nada enquanto você caminha. Mas os gráficos são bem otimizados e não apresentam serrilhados ou borrões aparentes, com boa nitidez. Vale destacar que joguei no PS4 Pro.

Por fim, uma crítica ao mapa do jogo. Às vezes, ele marca um determinado objetivo da missão, mas você vai lá e o objetivo é em outro lugar – que você tem que descobrir onde é. Isso me confundiu um pouco.

VALE A PENA?

Ainda não terminei o game, mas gostei do que vi até agora. Joguei mais de 4 horas (me perdi algumas vezes) e acho que vale sim o preço que está sendo cobrado. Sem dúvida, é uma aventura única no Playstation VR. Quando zerar, atualizarei este review. Nota (temporária): 9,0.

Este review foi feito no PS4 Pro e PSVR, com midia digital gentilmente cedida pela Outerloop Games.

FICHA TÉCNICA
Jogo: Falcon Age
Estúdio: Outerloop Games
Gênero: Aventura em 1ª pessoa
Plataformas: PS4 e PSVR
Preço: R$ 61,50 (PS Store Brasil)
Data de lançamento: 9 de abril de 2019
Controles: Dois Moves ou Dualshock 4
Idiomas: Inglês / Espanhol (se você alterar o idioma do seu PS4 para Espanhol latino)

Confira aqui alguns gameplays de ‘Falcon Age’ no canal PSVR Brasil

Parte 1

Parte 2

Parte 3

[Review rápido] ‘Beat Blaster’ é um arcade shooter pra quem gosta de velocidade

‘Beat Blaster’ é um jogo de tiro bastante ágil, que usa a música como pano de fundo. Não é um jogo rítmico, como o nome parecido com ‘Beat Saber’ dá a entender. São 30 fases ao todo e pra platiná-lo basta zerar o game. Os menus estão em português. O visual é bem colorido, cheio de neons, e os gráficos são bem nítidos.

Você pode jogar usando dois moves, a Aim Controller ou mesmo o Dualshock. A Aim é a melhor opção, porque você pode se mover usando os direcionais. Com os moves você se movimenta usando o tracking do headset, inclinando a cabeça pros lados, pra frente e pra trás. Com os moves você pode escolher usar uma pistola em cada mão ou apenas uma submetralhadora. Estas são as únicas armas do jogo.

O jogo exige bastante precisão nos movimentos e pensamento rápido. Os controles respondem bem. Mas você não pode encostar nas paredes senão dá “game over”. Se levar um tiro é “game over”. Se esbarrar em qualquer obstáculo é “game over”. Se esbarrar em um inimigo é “game over”. Se acabar o tempo é “game over”.

VALE A PENA?

‘Beat Blaster’ é um jogo de tiro arcade, bastante casual. A tabela com placar mundial te incentiva a conseguir uma pontuação melhor. E as fases, todas criadas proceduralmente, também estimulam o replay. Escapar de vários obstáculos em alta velocidade dá uma sensação boa. Mas não espere nada além disso. O preço dele está um pouco inflacionado na PS Store. Sugiro esperar uma promoção. Nota: 7,5/10.

Este review foi feito no PS4 Pro, com midia digital gentilmente cedida pelo estúdio Ivanovich Games

FICHA TÉCNICA

Título: Beat Blaster

Estúdio: Ivanovich Games

Gênero: Arcade shooter

Plataformas: Playstation VR (usada neste review), Oculus Rift, HTC Vive e Windows Mixed Reality

Preço: R$ 61,50 (PS Store BR)

Data de lançamento: 5 de abril de 2019

Controles: Aim Controller, Dois Moves ou Dualshock 4

Confira o gameplay de ‘Beat Blaster’ no canal PSVR Brasil

Sony anuncia ‘Iron Man VR’, data de ‘Blood and Truth’, update VR grátis de ‘No Man’s Sky’ e muito mais!

A Sony fez várias revelações interessantes para o público VR hoje, durante a transmissão State of Play, realizada em seus canais oficiais no YouTube. A live começou logo de cara com ‘Iron Man VR’, jogo que está sendo desenvolvido pela própria Sony, a Marvel e o estúdio Camouflaj. Devido à fama dos jogos baseados em quadrinhos, o anúncio do jogo do Homem de Ferro deixou alguns jogadores de pé atrás, mas vamos aguardar pra ver o que sai dessa cartola, não é mesmo?

Confira aqui, no vídeo do canal PSVR Brasil, tudo o que rolou de VR na live da Sony:

Também foi anunciada a data de lançamento do aguardadíssimo shooter ‘Blood and Truth’, do London Studio. O jogo, exclusivo do Playstation VR, chega no dia 28 de maio deste ano. A stream trouxe um novo trecho de gameplay e cutscenes do jogo.

A transmissão também trouxe o anúncio do suporte VR a ‘No Man’s Sky – Beyond’, que já vinha sendo esperado há tempos pelos jogadores. O suporte será gratuito e está previsto para o verão americano (junho a agosto).

Outra revelação foi o anúncio de ‘Five Nights at Freddy’s VR’, primeiro jogo de terror em realidade virtual desta assustadora franquia. O jogo está previsto para a primavera de 2019 (março a junho).

Também foi anunciado o movo VR de ‘Concrete Genie’. Este é um jogo que, desde que vi pela primeira vez, fiquei comentando que deveria ser em VR, já que ele usa ferramentas de desenho como a gente vê em aplicativos do PSVR. O jogo está previsto para o outono de 2019 (setembro a dezembro).

Fora isso, foram confirmadas as datas de lançamento de sete jogos. Confira o resumo logo abaixo.

Tudo o que foi revelado durante a State of Play:
Iron Man VR – Novo jogo, anunciado para 2019
No Man’s Sky Beyond – Anunciado update gratuito para o PSVR, previsto para o verão de 2019 (junho a agosto)
Blood and Truth – Lançamento em 28 de maio de 2019
Mini-Mech Mayhem – Lançamento em 18 de junho de 2019
Jupiter & Mars – Lançamento em 22 de de abril de 2019
Falcon Age – Lançamento em 9 de abril de 2019
Trover Saves The Universe – Lançamento em 31 de maio de 2019
Everybody’s Golf VR – Lançamento em 21 de maio de 2019
Table of Tales – Lançamento em 16 de abril de 2019
Vacation Simulator – Lançamento em 18 de junho de 2019
Five Nights at Freddy’s VR – Novo jogo anunciado para a primavera de 2019 (março a junho)
Concrete Genie – Anunciado modo VR para o jogo, previsto para outono de 2019 (setembro a dezembro)

Beta aberta de ‘Space Junkies’ começa nesta quinta-feira

Começa nesta quinta-feira, dia 21 de março, a beta aberta do game ‘Space Junkies’, da Ubisoft. O jogo é um multiplayer competitivo com partidas 2 x 2 em sistema cross-platform, entre Playstation VR, Oculus Rift, HTC Vive e Windows Mixed Reality. A beta estará disponível para download amanhã, na PS Store do Brasil.

A beta ficará disponível para ser jogada gratuitamente a partir das 14h (horário de Brasília) desta quinta-feira, 21. O período de testes terminará às 8h de 24 de março (domingo) no Playstation VR, e às 8h de 25 de março (segunda-feira) nas plataformas Oculus Rift, HTC Vive e Windows Mixed Reality.

Amanhã, logo no início da beta, teremos live no canal PSVR Brasil, a partir das 14h. Acesse: www.youtube.com/c/psvrbrasil.

A beta aberta permitirá aos jogadores testarem ‘Space Junkies’ de graça antes do lançamento mundial, na próxima terça-feira, 26 de março, e oferecerá a mesma experiência do jogo completo, com quatro modos PvP (player versus player), diversos mapas e muitos personagens com características únicas.

No Playstation VR, será possível jogar apenas com o Dualshock 4 – já que, como vocês sabem, os Moves não possuem direcionais e seria praticamente impossível jogar uma game como esse com eles, devido à movimentação em 360º.

Graças ao suporte total entre plataformas, os jogadores de PSVR e PCVR (Oculus Rift, HTC Vive e Windows Mixed Reality) também poderão se enfrentar ou jogar no mesmo time, tanto no beta quanto após o lançamento de ‘Spacie Junkies’.

Desenvolvido pela Ubisoft Montpellier, ‘Space Junkies’ é um arcade shooter com jetpacks criado exclusivamente para jogar em realidade virtual. O jogo traz um modo multiplayer de ação rápida, arenas orbitais em três dimensões e personificação total dos personagens para que o jogador use suas mãos e corpo para manipular intuitivamente o ambiente e as armas. Além disso, ‘Space Junkies’ deverá receber atualizações de conteúdo de forma regular após o lançamento, incluindo novos modos, mapas, armas e itens de personalização.

A Ubisoft é uma das grandes empresas que mais têm investido em realidade virtual. ‘Space Junkies’ é o seu quinto jogo lançado para o Playstation VR. Seus lançamentos anteriores para o PSVR foram: ‘Eagle Flight’, ‘Werewolves Within’, ‘Star Trek: Bridge Crew’ e ‘Transference’.

Saiba mais sobre ‘Space Junkies’ em https://www.ubisoft.com/pt-br/game/space-junkies.

Assista ao trailer de lançamento da beta aberta

‘Beat Saber’ é o primeiro jogo VR a ultrapassar a marca de 1 milhão de cópias vendidas

Jaroslav Beck, um dos desenvolvedores do game musical ‘Beat Saber’, divulgou ainda há pouco um vídeo em que conta que o jogo ultrapassou a histórica marca de 1 milhão de cópias vendidas em todo o mundo. É uma marca especialmente histórica porque, segundo o próprio desenvolvedor, trata-se do primeiro jogo VR a atingir este volume de vendas. Ou seja, ‘Beat Saber’ é o maior sucesso comercial da história da realidade virtual até agora.

No vídeo, em inglês, Beck diz que está totalmente “sem palavras” e agradece à comunidade gamer de VR, dizendo que os jogadores são os verdadeiros “culpados” por este grande sucesso. Ele conta ainda que nem nas melhores estimativas prévias ao lançamento eles sonhavam em vender tantos jogos assim. No final, Jaroslav Beck afirma que esta é uma demonstração, para as grandes companhias de games, que o VR pode ser lucrativo.

Assista ao vídeo abaixo:

PRIMEIRA DLC 

No mesmo vídeo, Beck fala sobre a primeira DLC de ‘Beat Saber’, lançada mundialmente hoje. O “Monstercat Music Pack Vol. 1” contém dez faixas e custa R$ 39,90. Você também pode comprar cada música individualmente por R$ 6,50. Quem ainda não tem o jogo pode adquirir o game + DLC por R$ 122,90.

O Monstercat Music Pack Vol. 1 traz as seguintes músicas:

– ‘Boundless’ – Aero Chord
– ‘Emoji VIP’ – Pegboard Nerds
– ‘Epic’ – Tokyo Machine
– ‘Feeling Stronger (feat. Charlotte Colley) [High Maintenance Remix]’ – Muzzy
– ‘Overkill’ – RIOT
– ‘Rattlesnake’ – Rogue
– ‘Stronger (feat. Emel)’ – Stonebank
– ‘This Time’ – Kayzo
– ‘Till It’s Over’ – Tristam
– ‘We Won’t Be Alone (feat. Laura Brehm)’ – Feint

Compre aqui a DLC Monstercat Music Pack

Ainda na noite de ontem, o meu amigo Moso, do canal Moso VR, comprou a DLC na Austrália e fez uma live em primeira mão. Confiram aqui (e não deixem de se inscrever no canal dele, caso ainda não sejam inscritos):

‘Megalith’ ganha versão de testes gratuita e suporte à Aim Controller

Foi disponibilizada hoje na PS Store uma versão gratuita do multiplayer ‘Megalith’. Agora, os jogadores poderão testar gratuitamente o jogo pelo tempo que quiserem. Cada jogador terá à disposição dois titãs, que se revezarão a cada semana. O jogo, da Disruptive Games, também ganhou suporte à Aim Controller. Agora, este multiplayer pode ser jogado com Dualshock 4 ou um par de Moves.

Vale lembrar que todo o progresso que você conquistar durante a versão de testes (Free Trial) será levado para a versão completa, caso você decida adquiri-la. ‘Megalith’ está disponível na PS Store do Brasil e custa R$ 91,90.

Baixe aqui a versão de testes de ‘Megalith’

Assista ao gameplay do jogo no canal PSVR Brasil no YouTube!

Finalmente! Primeira DLC de ‘Beat Saber’ já tem data de lançamento!

Depois de quase quatro meses de espera, a Beat Games anunciou hoje, em suas redes sociais, a data de lançamento da primeira DLC de ‘Beat Saber’. O primeiro pacote de músicas sairá para o Playstation VR e PCVRs no dia 14 de março, ou seja, quinta-feira da próxima semana. O anúncio animou especialmente os jogadores do PSVR, que estão jogando as mesmas músicas desde que o jogo foi lançado, em 20 de novembro do ano passado.

O estúdio não revelou quantas músicas estarão na DLC, nem quais serão, mas pelas informações divulgadas à época do lançamento do jogo, devem ser dez. Um dos produtores do estúdio, Jaroslav Beck, divulgou dias atrás um vídeo em seu canal oficial no YouTube em que diz que a previsão é que outros packs sejam lançados ainda este ano.

“Não temos como dizer quantos packs vamos lançar em 2019, mas espero que sejam muitos! O conteúdo é o maior problema de ‘Beat Saber’. Então, precisamos nos certificar que vocês tenham vários níveis para jogar e, claro, vamos trazer música gratuita em uma área muito bacana também”, disse Beck, desenvolvedor do game ao lado de Ján Ilavský e Vladimír Hrinčár.

O jogo foi lançado com um total de 16 músicas e uma campanha que se tornou um de seus principais atrativos, pela extrema dificuldade e variedade de desafios. Ao longo dos últimos meses, ‘Beat Saber’ recebeu mais algumas músicas e um novo nível de dificuldade: o Expert+, que desafia até os jogadores mais experientes.

Confira um gameplay do jogo no canal PSVR Brasil

Confira o resultado do sorteio da mídia digital de ‘Anyone’s Diary’

Durante esta semana, realizamos no canal PSVR Brasil o sorteio de uma mídia digital do jogo ‘Anyone’s Diary’, gentilmente cedida pelo estúdio World Domination Project. No período de inscrições, que se encerrou ontem, tivemos um total de 187 “entradas”, de 45 participantes de várias partes do Brasil.

Agradeço a todos pela participação. Infelizmente, só podemos premiar um. E o sortudo foi Orlando José Blanc, de Curitiba (PR), que já foi devidamente contactado pelo e-mail informado no ato da inscrição.

sorteio anyone

Com este sorteio, conseguimos alcançar a marca de 1.000 inscritos no canal! E também aproveito a oportunidade para agradecer a todos os que já se inscreveram até agora! A participação de vocês fortalece o canal e nos incentiva a continuar trazendo o melhor conteúdo que podemos.

O JOGO

‘Anyone’s Diary’ é um singelo jogo de plataforma e puzzle, no melhor estilo ‘Moss’. Você pode jogar usando o Dualshock 4 ou 2 PS Moves. Por enquanto, o jogo está disponível apenas nas PSNs da Europa.

Assista ao gameplay de ‘Anyone’s Diary’ no canal PSVR Brasil:

Missões VR de ‘Ace Combat 7’ trazem toda a emoção de pilotar um caça. Veja o review!

Quando foi anunciado, ‘Ace Combat 7: Skies Unknown’ seria um dos primeiros títulos exclusivos do Playstation VR, que ainda na época nem havia sido lançado. Depois de muito tempo de espera, finalmente pudemos colocar as mãos no game, em janeiro deste ano, mas muita coisa mudou do planejamento original.

Daquilo que seria uma campanha completa em VR, sobraram apenas três missões em realidade virtual. A experiência em si é fantástica – é sem dúvida a melhor sensação de voar e de pilotar um avião disponível atualmente no PSVR.

Mas, inevitavelmente, fica aquele sentimento de como seria incrível jogar a campanha completa em VR – e os modos multiplayer também –, se o “plano de voo” original tivesse sido mantido.

É fato que, depois de tantos anos de desenvolvimento – e percebendo que a realidade virtual ainda não atingiu o grande público – a gigante Bandai Namco não quis se arriscar e mirou mais no alto, tornando o game um jogo multiplataforma, para PS4, XBox One e PCs. As missões VR, por enquanto, ainda são exclusiva do PSVR, algo que irá mudar em janeiro do ano que vem.

No canal PSVR Brasil, fizemos um gameplay da melhor dessas missões VR, trazendo alguns comentários sobre o conteúdo VR do jogo.

Confira no vídeo abaixo – ah, e se ainda não é inscrito, inscreva-se no canal! Sua inscrição é muito importante pra ajudar o canal a alcançar voos maiores!

Estúdio esclarece erro na PSN e diz que ‘Eden-Tomorrow’ será lançado ainda neste trimestre

Quando divulgamos aqui no blog que a demo do jogo ‘Eden-Tomorrow’ já estava disponível na PS Store da Austrália, apontamos que a descrição do game na loja online dizia que ele teria suporte ao Navigation Controller, periférico do PS3 que até agora só tem suporte em um jogo do Playstation VR (o ‘Dream Match Tennis VR’). Pois bem. Em contato com o estúdio alemão Soul Pix, um dos desenvolvedores explicou que se trata de um erro na PSN, erro este que seria devidamente corrigido.

Ou seja, o jogo não terá suporte ao Navigation Controller, nem mesmo aos Moves. Só pode ser jogado com o Dualshock 4, da forma como é apresentado na demo. A correção já foi feita nas PSNs das Américas (que receberam a demo depois), mas o erro persiste nas lojas online da Europa e Austrália (o print está logo abaixo).

erro_psn

Em resposta ao blog, o estúdio também afirmou que o jogo ainda não tem data fechada de lançamento, mas “com certeza” será ainda no primeiro trimestre de 2019. Além disso, o desenvolvedor explicou que a equipe está avaliando disponibilizar legendas no game (possivelmente em português), mas ainda não há uma decisão a respeito disso.

Testamos a demo no canal PSVR Brasil e o jogo promete. Nele, você controla um astronauta e um drone, revezando-se entre um e outro ao estilo de ‘Beyond – Two Souls’. Os gráficos estão belíssimos, com um leve serrilhado (impossível de ser evitado no PSVR), e a história é bem interessante. A demo já está disponível na PS Store do Brasil. O áudio é em inglês ou alemão.

Baixe aqui a demo de ‘Eden-Tomorrow’ na PS Store do Brasil

Confira aqui o gameplay da demo e se inscreva no canal PSVR Brasil

Terceiro disco demo do Playstation VR já está disponível na PSN. Baixe aqui!

A PS Store disponibilizou hoje o terceiro disco de demo do Playstation VR. São nove jogos ao todo e a única demo nova é de ‘Superhot VR’. Apesar de poucas novidades, trata-se da melhor seleção de jogos já vista em um disco de demo. O download é de 13 GB.

A relação de demos é encabeçada por ‘Astro Bot Rescue Mission’, aclamado como melhor jogo VR de 2018 – e, na minha opinião, o melhor jogo do Playstation VR até agora.

Outros sucessos de crítica e de público são ‘Job Simulator’, ‘The Persistence’, ‘Moss’ e ‘Thumper’. O disco traz também a demo ‘Kitchen’, de ‘Resident Evil 7’. É uma das minhas experiências preferidas para mostrar o VR aos amigos e dar aquele susto maneiro.

Já joguei a versão completa de todos esses games e colocaria facilmente todos eles em uma lista dos 30 melhores já lançados para o PSVR. Baixe o demo disc 3 e tire suas próprias conclusões!

As demos disponíveis são:
• Astro Bot Rescue Mission (Japan Studio)
• Battlezone (Rebellion)
• Headmaster (Frame Interactive)
• Job Simulator (Owlchemy Labs) *
• Moss (Polyarc)
• Resident Evil 7 – Kitchen (Capcom)
• Superhot VR (Superhot Team) *
• The Persistence (Firesprite)
• Thumper (Drool)
* Estes games só podem ser jogados com um par de Playstation Moves.

Baixe aqui o Demo Disc 3 do Playstation VR na PS Store do Brasil

Cada disco de demos do Playstation VR traz uma seleção diferente de jogos – alguns repetidos, é verdade.

O disco número 1 não está disponível na loja online brasileira – mas quem quiser pode baixar na PS Store dos Estados Unidos ou da Europa, por exemplo. Os links estão abaixo.

Baixe aqui o Demo Disc 2 na PS Store do Brasil

Baixe aqui o Demo Disc 1 na PS Store dos EUA

‘Firewall Zero Hour’ terá fim de semana gratuito de 18 a 20 de janeiro

Conforme antecipamos aqui no blog, o FPS multiplayer ‘Firewall Zero Hour’ vai ganhar um teste gratuito temporário para quem não tem o game. E será já no próximo fim de semana, de 18 a 20 de janeiro. O estúdio First Contact confirmou hoje a realização da  “Trial Demo” em um post em seu site oficial. Para jogar, é necessário ser assinante da Playstation Plus.

No post, o estúdio afirma que todos os modos de jogo do game completo estarão disponíveis na demo. São eles: Treino Single Player (Jogador vs IA); Treino Multiplayer (Co-op vs IA); e Contratos Multiplayer – PVP (Players vs Players). Também estará disponível toda a lista de mapas do jogo, incluindo o novo mapa adicionado, Contenção.

O estúdio avisou ainda que todo o XP e o Crypto (a moeda do jogo) que você ganhar durante o fim de semana grátis serão transferidos para o jogo principal quando você adquirir o game.

Uma das grandes dúvidas dos jogadores interessados no game é se vale a pena jogar ‘Firewall’ sem a Aim Controller – ou seja, usando o Dualshock 4. Agora é a hora de descobrir!

Confira aqui o vídeo do canal PSVR Brasil, com algumas dicas para quem está começando:

Não espere até amanhã: demo de ‘Eden-Tomorrow’ já está disponível na PSN da Austrália!

A demo de ‘Eden-Tomorrow’ já está disponível para download na PS Store da Austrália. A demo deve chegar amanhã nas Américas e Europa, mas quem tem uma conta australiana já pode testar a demonstração em primeira mão. O jogo ainda não tem data de lançamento.

Baixe aqui a demo de ‘Eden-Tomorrow’

Desenvolvido exclusivamente para o Playstation VR pelo estúdio Soul Pix, ‘Eden-Tomorrow’ é uma aventura de ficção científica que se passa em um planeta desconhecido. Inicialmente, seu lançamento estava previsto para a “primvavera de 2018”, mas já sabemos que isso não aconteceu.

De acordo com a descrição do game na PS Store Austrália, o game traz um recurso interessante: terá suporte ao Navigation Controller. Ou seja, quando for lançado, será o segundo jogo com suporte ao Navigation, já que, até agora, apenas o ‘Dream Match Tennis VR’ permite o uso do periférico criado originalmente para o PS3.

Ainda segundo a descrição, você pode jogar usando o Dualshock 4; ou o Move + Navigation; ou ainda o Dualshock 4 + Move.

Vamos testar em breve no canal PSVR Brasil. Inscreva-se no canal e fique ligado!

Assista ao trailer de ‘Eden-Tomorrow’

‘Beat Saber’ lidera ranking dos jogos para PSVR mais baixados de 2018. Veja a lista!

A versão europeia do blog do Playstation divulgou hoje o ranking dos 20 jogos para PSVR mais baixados de 2018 na PS Store e qual game apareceu na frente? ‘Beat Saber’, é claro! Trata-se do maior fenômeno de realidade virtual nos últimos anos, sucesso de público e de crítica. Em segundo lugar, aparece outro queridinho dos jogadores: ‘Job Simulator’. ‘Superhot VR’ fecha o pódio, em terceiro.

‘Astro Bot Rescue Mission’, que pra mim é o melhor jogo de 2018, aparece em 6º lugar. ‘Firewall Zero Hour’, que também foi um dos grandes fenômenos multiplayer do ano passado, vem apenas em 17º lugar. Há que se levar em conta também que estes dois jogos possuem mídias físicas (inclusive com bundles especiais), o que aumentará e muito seu número final de vendas. ‘Beat Saber’, por outro lado, só pode ser encontrado em mídia digital.

Na real, não sei se a lista refere-se apenas aos downloads na Europa ou se abrange o mundo inteiro, pois o artigo do PS Blog não faz menção a isso. E, até o momento, nem a versão brasileira do blog, nem a norte-americana, publicaram tal lista. Mas fiquemos com a lista europeia como referência. Não foram divulgados números de vendas dos jogos, nem valores arrecadados.

Confiram abaixo o ranking, assim como a lista de jogos de PS4 e as DLCs mais baixadas de 2018.

Playstation VR
1. Beat Saber
2. Job Simulator
3. Superhot VR
4. The Elder Scrolls V: Skyrim VR
5. Batman: Arkham VR
6. Astro Bot Rescue Mission
7. Robinson: The Journey
8. Moss
9. Rick and Morty: Virtual Rick-ality
10. Arizona Sunshine
11. Farpoint
12. Doom VFR
13. RollerCoaster Legends
14. Until Dawn: Rush of Blood
15. Everest VR
16. Statik
17. Firewall Zero Hour
18. Creed: Rise to Glory
19. Surgeon Simulator: Experience Reality
20. Bravo Team

PS4
1. Fifa 19
2. Call of Duty: Black Ops 4
3. Red Dead Redemption 2
4. Grand Theft Auto V
5. God of War
6. Marvel’s Spider-Man
7. Fifa 18
8. Gang Beasts
9. Rocket League
10. Far Cry 5
11. Battlefield 1
12. Horizon Zero Dawn
13. Minecraft
14. Tom Clancy’s Rainbow Six Siege
15. Battlefield V
16. Monster Hunter: World
17. Need for Speed Payback
18. Gran Turismo Sport
19. A Way Out
20. Assassin’s Creed Odyssey

DLCs
1. Fortnite Battle Royale – Starter Pack
2. Fortnite Battle Royale – The Ace Pack
3. Fortnite Battle Royale – Wingman Starter Pack
4. Fortnite Battle Royale – The Summit Striker Pack
5. Fortnite – Standard Founder’s Pack
6. Fortnite – Frozen Legends Pack
7. Fortnite – Deluxe Founder’s Pack
8. Call of Duty: WWII – The Resistance: DLC Pack 1
9. Horizon Zero Dawn – The Frozen Wilds
10. Marvel’s Spider-Man – The City that Never Sleeps
11. Destiny 2 – Expansion Pass
12. Fortnite Battle Royale – Deep Freeze Bundle
13. Tom Clancy’s Rainbow Six Siege Year 3 Pass
14. Rocket League – Fast & Furious ’99 Nissan Skyline GT-R R34
15. Assassin’s Creed Origins – The Hidden Ones
16. Destiny 2 – Forsaken
17. Rocket League – Batman v Superman: Dawn of Justice Car Pack
18. Rocket League – DC Super Heroes DLC Pack
19. Call of Duty: WWII – The War Machine: DLC Pack 2
20. GTA Online – Criminal Enterprise Starter Pack

Update de ‘Firewall Zero Hour’ traz versão de teste para quem não tem o jogo

O FPS multiplayer ‘Firewall Zero Hour’ recebeu hoje o update 1.11, que traz suporte para uma versão de teste do jogo. Pouco se sabe sobre essa versão de teste (trial), mas a descrição da atualização diz o seguinte: “Você agora pode testar uma versão completa por tempo limitado do jogo. Durante o teste, ficam desabilitados troféus e transações com dinheiro real na loja do jogo (apenas para jogadores da versão de teste).

A PS Store deve receber em breve esta versão de testes, mas ela ainda não está disponível. No canal do estúdio First Contact Entertainment (responsável pelo jogo) no Discord, um dos administradores, Trevor, informou que “mais informações (sobre a versão de teste) serão divulgadas em breve. O lançamento do patch (update) é apenas parte do processo de configuração (para que o jogo possa dar suporte à versão de testes).

EM PROMOÇÃO

Quem não quiser esperar pela versão de teste, o jogo está em promoção nas lojas online da Europa e Austrália, com 36% de desconto. Na loja do Reino Unido, que costuma trazer o melhor preço consideração a cotação da libra perante o real, o jogo está saindo por 15,99 libras – ou cerca de R$ 80,00. É quase a metade do preço cheio no Brasil, de R$ 150,00. O valor promocional vai até o dia 18 deste mês.

O game pode ser jogado tanto com a Aim Controller quanto com o Dualshock 4. Confira abaixo a diferença de jogabilidade em vídeo do canal PSVR Brasil:

 

[review] ‘Assassin’s Creed Odyssey’ renova uma das franquias de maior sucesso dos games

Depois de mais de 140 horas jogando ‘Assassin’s Creed Odyssey’, meu mapa do jogo ainda estava cheio de áreas a descobrir e missões que ainda não cumpri. A Ubisoft fez um trabalho monumental para recriar o mundo grego, de ponta a ponta, como nenhum jogo havia feito antes na história dos games. Às vezes tenho a impressão que esse jogo nunca termina. E não termina mesmo: o estúdio está lançando atualizações constantes, com novos conteúdos e desafios, como o mais recente update, que subiu o level máximo de 50 pra 70.

Assista aqui ao vídeo review de ‘Assassin’s Creed Odyssey’

Há quem fale por aí que ‘Odyssey’ não é um legítimo ‘Assassin’s Creed’. Pra quem nunca foi muito fã da série, por exigir um certo nível de furtividade e paciência para eliminar os inimigos, ‘Odyssey’ é o melhor já lançado até hoje. A furtividade do assassino ainda está presente no jogo, mas se você preferir um estilo mais agressivo, terá um leque variado de armas, armaduras e habilidades pra enfrentar os inimigos no mano a mano.

Isso permite que o jogo seja acessível a todos os jogadores. E até quem não manja muito dos paranauês de se esconder para conseguir uma morte limpa vai se dar bem. Mesmo porque os guardas não estão tão espertos quanto antigamente. Talvez os fãs da série estranhem um pouco ver tantos soldados de costas ou parados, mas acredito que essa escolha se deu pra deixar o jogo mais acessível pros novatos.

‘Assassin’s Creed Odyssey’ tem um mapa gigantesco, que reproduz com riqueza de detalhes a Grécia Antiga dos tempos de Sócrates, Hipócrates, Heródoto, Péricles e muitos outros personagens históricos. A trama se passa em pleno período da Guerra do Peloponeso, conflito que colocou Atenas e Esparta frente a frente numa batalha sangrenta pelo domínio da Grécia.

Durante o gameplay, você ainda vai encontrar criaturas mitológicas e utilizar armas e armaduras que pertenceram a deuses e heróis lendários, como Hércules, Aquiles, Prometeu, Teseu, Artemis, Poseidon e muitos outros. De quebra, ainda terá um gostinho de controlar o rei Leônidas na famosa batalha dos 300. Seu personagem (Kassandra ou Alexios) é descendente do general espartano e usa a ponta da lança de Leônidas para praticar execuções pra lá de violentas.

‘Odyssey’ tem gráficos incríveis, controles bastante responsivos e jogabilidade irretocável. O áudio dá um show à parte – e se o sotaque da dublagem original te incomodar, você pode optar pelo áudio em português, que às vezes soa um pouco artificial, mas é competente na maior parte do tempo.

VALE A PENA?

‘Assassin’s Creed Odyssey’ desponta como um dos melhores jogos lançados neste ano. O jogo renova a série de uma maneira ainda mais profunda do que ‘Origins’, de 2017, adicionando novos elementos de jogabilidade que o transformam em um legítimo RPG de ação. Com isso, o game abre as portas para os novos jogadores conhecerem uma das franquias de maior sucesso de todos os tempos. Nota: 10/10.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Título: Assassin’s Creed Odyssey
Gênero: RPG de ação
Estúdio: Ubisoft
Plataformas: Playstation 4 (usada neste review), Xbox One e PCs
Idiomas: português (áudio e legendas) e inglês (original)
Preço: R$ 199,99 (PS Store BR)
Jogadores: 1 (sem modo online)

[Este review foi feito com cópia digital gentilmente cedida pela Ubisoft]

Estúdio de ‘Beat Saber’ divulga data de lançamento e traz detalhes da versão para PSVR

O estúdio Beat Games divulgou hoje, finalmente, a informação que há muito tempo os jogadores de Playstation VR estavam ansiosamente esperando: a data de lançamento do jogo ‘Beat Saber’. E a boa notícia é que o game vai chegar bem mais rápido do que poderíamos imaginar: 20 de novembro! O preço do game ainda não foi divulgado, mas, em um artigo publicado no Playstation Blog (que você pode ler em português aqui), o estúdio deu vários detalhes sobre a versão do PSVR.

Segundo o estúdio, ‘Beat Saber’ terá uma “campanha desafiadora”, criada exclusivamente para os jogadores do PSVR, além de cinco novas músicas exclusivas. No entanto, nada foi falado sobre o esperado editor de músicas, que permitiria que os próprios jogadores adicionassem canções e editassem manualmente os levels.

O que o artigo diz é que novas músicas serão adicionadas “com regularidade”, por meio de DLCs. “A primeira expansão virá com 10 músicas, logo após o lançamento. Escolha entre estilos musicais e artistas conhecidos, além de talentos indie emergentes”, diz o texto.

O jogo também terá um “party mode”, um multiplayer local em que você poderá revezar o headset com os amigos para ver quem marca mais pontos. O estúdio também divulgou um novo trailer do game, com uma nova música. Assista:

Quer saber mais sobre ‘Beat Saber’? Confira aqui o nosso preview

 

Beta aberta de ‘Megalith’ estará disponível na Playstation Store no dia 13. Veja aqui como participar!

O estúdio Disruptive Games abriu inscrições hoje para um teste que vai anteceder a beta aberta do shooter multiplayer ‘Megalith’, para Playstation VR. A beta vai iniciar na próxima terça-feira, dia 13, e estará disponível na Playstation Store das Américas do Sul (incluindo Brasil) e do Norte.

Se você quiser se antecipar ainda mais, poderá jogar o game em primeira mão durante o “stress test”, que será realizado neste sábado, 11. No entanto, há alguns requisitos para participar do teste, que são:

1. Você precisa estar apto a participar do “stress test”, que será realizado neste sábado, 10, das 16h às 22h (horário de Brasília – ou 10:00 am – 4:00 pm PST).

2. Você precisa ter uma conta da PSN da América do Sul ou América do Norte.

As informações foram divulgadas nas redes sociais e todos os detalhes e links podem ser encontrados aqui. Para participar do stress teste, é recomendável saber inglês, para poder repassar aos desenvolvedores informações sobre bugs e problemas encontrados no jogo.

BETA ABERTA E PRÉ-VENDA

O shooter em primeira pessoa ‘Megalith’ será lançado no dia 8 de janeiro de 2019, inicialmente apenas para o Playstation VR. Os PCVRs deverão receber o game seis meses após o lançamento para PSVR.

A beta aberta do game vai começar no dia 13 de novembro, somente no Playstation VR e nas Américas do Norte e do Sul. A beta estará disponível para download na Playstation Store. Também neste dia, será disponibilizada a pré-venda do jogo na PS Store. Quem adquirir na pré-venda vai receberá os seguintes bônus:

* Destrave imediatamente todos os titã disponíveis durante a beta

* Pacote de avatars com os cinco titãs iniciais

* Um titã de DLC garantido quando o game for lançado

* Exclusivo: skins épicas para cada um dos cinco titãs iniciais, quando o game for lançado.

Assista ao trailer de ‘Megalith’

Playstation VR ganha novo jogo gratuito: ‘Legends of Catalonia’. Baixe aqui!

O Playstation VR ganhou hoje um novo jogo gratuito. Trata-se de ‘Legends of Catalonia: The Land of Barcelona’, um game feito pelo governo catalão para divulgar a região e sua rica história. O jogo já está disponível na PS Store do Brasil.

Clique aqui para baixar o game  ‘Legends of Catalonia: The Land of Barcelona’

O jogo ocupa 3,84 GB no HD. Você pode jogar tanto com o Dualshock 4 quanto com um par de Moves. O game foi desenvolvido pelos estúdios Virtual Voyagers e Aftershare para a Agência Catalã de Turismo.

SINOPSE OFICIAL

Entre em uma aventura épica, viajante! A Catalunha espera por você! Você deve ajudar o cavaleiro Sant Jordi a recuperar os segredos de seu diário perdido. Junte-se a uma aventura nas mãos de ilustres companheiros de viagem e supere os desafios que te esperam num mundo de sonhos, lendas e fantasia.

Assista ao trailer de ‘Legends of Catalonia: The Land of Barcelona’

Demo gratuita de ‘Tetris Effect’ já está disponível na PS Store do Brasil. Baixe aqui!

Foi disponibilizada hoje na PS Store do Brasil a demo gratuita do jogo ‘Tetris Effect’ (Enhance Games), que será lançado no próximo dia 9 de novembro. Se você quiser testar o jogo em primeira mão, corra: a demo tem prazo de validade, que expira no dia 5 deste mês!

Clique aqui para baixar a demo!

Exclusivo do Playstation 4, ‘Tetris Effect’ é uma releitura do puzzle mais famoso de todos os tempos. A demo e o game completo poderão ser jogados tanto no Playstation VR quanto no PS4, nas telas convencionais, com resolução de 4K e 60fps.

O jogo já está em pré-venda, com 10% de desconto (válido até o dia 8 de novembro). O valor na pré-venda é de R$ 129,15, e o valor cheio, R$ 143,50.

Confira o que há de melhor na promoção de aniversário do Playstation VR!

A Promoção “Feliz Aniversário”, que marca os dois anos do Playstation VR, começou ontem, com descontos que chegam a 80%. Ao todo, a PS Store do Brasil está oferecendo mais de 140 jogos e expansões, e a gente resolveu separar quatro listas para tentar ajudar os jogadores a escolher os melhores jogos em oferta. Os membros PS Plus ganham descontos extras.

A promoção vai até o dia 23 deste mês e tem jogos custando a partir de R$ 6,20, como é o caso do shooter ‘Gunjack’. Entre os títulos, estão ainda o recém-lançado ‘Firewall Zero Hour’ (sucesso absoluto entre os jogadores), ‘Farpoint’, ‘Raw Data’, ‘Skyrim VR’‘Arizona Sunshine’, ‘Job Simulator’‘Killing Floor: Incursion’ e muitos, muitos outros.

Dada a quantidade absurda de jogos, tentei organizá-los em quatro listas, por faixa de valor, estabelecendo um ranking do melhor para o pior [os games que nunca joguei estão sem numeração e coloquei para baixo aqueles que, pelos reviews que eu vi, foram os mais mal avaliados].

Lembrando ainda que outros dois jogos VR fazem parte de outra promoção, a “Somente no Playstation”, que também começou ontem, mas vai só até o dia 16 de outubro. São eles: ‘Until Dawn: Rush of Blood’ (R$ 51,93) e ‘Bound’ (R$ 18,45) – preços já com a PS Plus. Estes dois jogos, por sinal, já saíram grátis na Plus.

É hora de fazer estoque! Vamos às listas!

Confira os jogos da Promoção “Feliz Aniversário”, separados por faixa de valor e organizados em um ranking do melhor para o pior [os games que nunca joguei estão sem numeração]

* Os preços já estão com descontos extras da PS Plus. Oferta válida até o dia 23/out/2018,

JOGOS CUSTANDO ATÉ R$ 20
1. Headmaster – R$ 15,37
2. Rigs: Mechanized Combat League – R$ 19,97
3. Thumper – R$ 15,37
4. Here They Lie – R$ 15,37
5. Driveclub VR – R$ 19,97
6. Theseus – R$ 17,87
7. Esper – R$ 18,13
8. Gunjack – R$ 6,20
9. Blasters of the Universe – R$ 18,36
10. Sparc – R$ 18,45
11. Sports Bar VR – R$ 15,37
12. RollerCoaster Legends II: Thor’s Hammer – R$ 12,95
13. Out of Ammo – R$ 18,36
14. Dick Wilde – R$ 13,77
15. Dying: Reborn PSVR – R$ 10,77
16. Legião Negra (Dark Legion) – R$ 20,08
17. Pixel Gear – R$ 11,85
18. Psychonauts in the Rhombus of Ruin – R$ 14,30
19. One Piece Grand Cruise – R$ 18,54
20. Surgeon Simulator: Experience Reality – R$ 15,37
21. Sea of Memories – R$ 20,08
22. Smashbox Arena – R$ 7,72
23. Pirate Flight VR – R$ 18,36
24. Virry VR: Wild Encounters [experiência VR] – R$ 12,30
25. Super Amazeballs – R$ 10,07
26. Race The Sun – R$ 6,29
27. Weeping Doll – R$ 9,27
28. Oasis Games Horror VR Bundle (Weeping Doll + Dying Reborn) – R$ 18,45
Radial-G: Racing Revolved – R$ 18,36
Tiny Trax – R$ 18,45
Apollo 11 VR – R$ 18,45
Infinite Minigolf – R$ 18,36
CastleStorm VR Edition – R$ 11,47
Light Tracer – R$ 13,77
HoloBall – R$ 18,36
Space Rift: Episode 1 – R$ 18,45
Stunt Kite Masters VR – R$ 13,90
Sonho de Pesca (Dream Angling) – R$ 20,08
Football Nation VR Tournament 2018 – R$ 6,18
Planeta Ranch – R$ 13,97
Domino Craft VR – R$ 15,44
Waddle Home – R$ 12,36
The Rabbit Hole – R$ 10,85
Super Stardust Ultra VR – R$ 15,37
Darknet – R$ 18,36
Nebulous – R$ 13,77
Chess Ultra – R$ 15,96
Perfect [experiência VR] – R$ 13,90
Wild Turkey Hunter VR – R$ 18,36
VR Ping Pong – R$ 9,18
Carnival Games VR: Alley Adventure [DLC] – R$ 18,37
Pinball FX2 VR: The Walking Dead [DLC] – R$ 4,62

DE R$ 21 A R$ 30
1. To the Top – R$ 28,60
2. Statik – R$ 24,60
3. Archangel – R$ 27,57
4. Crise no Planeta dos Macacos – R$ 27,54
5. Shooty Fruity – R$ 27,67
6. Playstation VR Worlds – R$ 23,97
7. Mervils: A VR Adventure – R$ 24,60
8. Mortal Blitz – R$ 24,60
9. Keep Talking and Nobody Explodes – R$ 22,95
10. Don’t Knock Twice – R$ 28,60
11. Werewolves Within – R$ 23,59
12. Happy Drummer – R$ 21,62
13. Animal Force – R$ 29,70
14. Pierhead Arcade – R$ 22,95
15. Carnival Games VR – R$ 30,75
16. Batidas de Áudio (Audio Beats) – R$ 20,08
17. Salary Man Escape – R$ 29,70
18. Unearthing Mars – R$ 26,95
19. Konrad the Kitten – R$ 25,24
20. VRoom Kaboom – R$ 30,74
21. Lunar Stone: Origin of Blood – R$ 20,08
Just in Time Incorporated – R$ 22,94
Stifled – R$ 30,75
Dream Match Tennis VR – R$ 29,83
2MD: VR Football – R$ 25,93
Kona VR Bundle – R$ 30,75
VRobot – R$ 29,83
Oasis Games Shooter VR Bundle (Pixel Gear + Ace Banana) – R$ 23,07
Tekken 7 – Passe de Temporada 1 [DLC/apenas modo VR] – R$ 26,91
Hatsune Miku: VR Future Live – 1st Stage [DLC] – R$ 30,29
Hatsune Miku: VR Future Live – 2nd Stage [DLC] – R$ 30,29
Hatsune Miku: VR Future Live – 3rd Stage [DLC] – R$ 30,29

DE R$ 31 A R$ 50
1. Raw Data – R$ 49,16
2. Arizona Sunshine – R$ 49,16
3. Superhot VR – R$ 46,14
4. WipEout Omega Collection – R$ 47,94
5. Pixel Ripped 1989 – R$ 49,98
6. Apex Construct – R$ 45,95
7. Sprint Vector – R$ 45,95
8. EVE: Valkyrie – Warzone – R$ 32,25
9. Job Simulator – R$ 50,04
10. Electronauts – R$ 39,97
11. I Expect You To Die – R$ 38,45
12. StarBlood Arena – R$ 31,96
13. Ultrawings – R$ 38,45
14. Operation Warcade – R$ 39,97
15. Detached – R$ 49,98
16. Eagle Flight – R$ 35,75
17. SculptrVR [app] – R$ 39,97
18. CoolPaintrVR [app] – R$ 46,47
19. Dirt Rally VR Bundle – R$ 38,38
20.18 Floors – R$ 32,13
21. The Assembly – R$ 32,16
22. The Walker – R$ 50,05
23. Trackmania Turbo [apenas modo VR] – R$ 47,99
No Heroes Allowed! VR – R$ 32,16
The American Dream – R$ 35,74
The Invisible Hours – R$ 43,00
League of War: VR Arena – R$ 39,97
Time Carnage – R$ 35,75
Pinball FX2 VR – R$ 34,42
Pinball FX2 VR: Season 1 Pack [DLC] – R$ 49,98

DE R$ 51 EM DIANTE
1. Farpoint – R$ 51,93
2. Resident Evil 7: Biohazard Gold Edition – R$ 107,99
3. Firewall Zero Hour – R$ 119,91
4. Killing Floor: Incursion – R$ 59,99
5. Doom VFR – R$ 64,50
6. The Elder Scrolls V: Skyrim VR – R$ 137,94
7. Atividade Paranormal: A Alma Perdida – R$ 53,75
8. Blind – R$ 61,52
9. Torn – R$ 73,51
10. Star Trek: Bridge Crew – R$ 71,75
11. Bow to Blood – R$ 59,73
12. Zone of the Enders: The 2nd Runner – Mars – R$ 112,42
13. Rise of the Tomb Raider [apenas modo VR] – R$ 62,47
14. Track Lab – R$ 63,91
15. Bravo Team – R$ 97,43
16. Tekken 7 [apenas modo VR] – R$ 67,16
17. Tekken 7 – Edição Revanche [apenas modo VR] – R$ 107,41
Rick and Morty: Virtual Rick-ality – R$ 52,25
Obduction – R$ 55,14
Loading Human: Chapter 1 – R$ 64,99
Hatsune Miku: Project Diva X – R$ 70,95
‘O Ilusionista – Andres Iniesta’ [experiência VR] – R$ 59,73
Star Trek: Pacote Bridge Crew The Next Generation – R$ 139,99

Sony comemora 2 anos do PSVR com mega-promoção, anúncio de ‘Borderlands 2 VR’ e muito mais!

Como muitos de vocês já devem estar sabendo, a Sony fez hoje um grande anúncio para marcar os dois anos do Playstation VR, que inclui uma série de ações, como uma mega-promoção na PS Store, o anúncio de ‘Borderlands 2 VR’, DLC de ‘Firewall Zero Hour’ e muito mais. Como o anúncio foi feito no blog oficial do Playstation e o texto está em inglês, vou trazer aqui as principais informações divulgadas hoje.

MEGA-PROMOÇÃO

Em primeiro lugar, começou hoje a Promoção Feliz Aniversário, com mais de 170 títulos em oferta – na PS Store do Brasil, são 148 jogos/conteúdos em oferta, já que alguns jogos do PSVR ainda não estão disponíveis por aqui. Realmente, a promoção está muito boa e traz jogos lançados recentemente, como ‘Firewall Zero Hour’, ‘Torn’ e ‘Pixel Ripped 1989’, além de títulos que quase nunca entram em oferta, como ‘Job Simulator’ e ‘Tiny Trax’.

Clique aqui para ir à página da promoção na PS Store do Brasil

‘BORDERLANDS 2 VR’

Um dos principais anúncios foi a divulgação de que o estúdio Gearbox está trabalhando em uma versão VR de ‘Borderlands 2’. E o game já tem até data de lançamento: 14 de dezembro! Lançado originalmente em 2012, o jogo ganhou uma versão para PS4 e, agora, chega à realidade virtual pela primeira vez. O jogo terá suporte aos Moves, com quatro personagens para você escolher. Mas, diferente das versões em tela plana, não haverá multiplayer cooperativo – o jogo é apenas para um jogador, o que é uma pena. No entanto, haverá habilidades únicas, como um “bullet-time”, criado especialmente para o VR. ‘Borderlands 2 VR’ já está em pré-venda e custa R$ 153,50.

Saiba mais sobre ‘Borderlands 2 VR’ aqui

DEMO DE ‘ASTRO BOT’

Outro destaque do anúncio de hoje vai para ‘Astro Bot: Rescue Mission’. Um dos games mais aclamados do momento vai ganhar uma demo gratuita, que estará disponível na loja online do Playstation na próxima terça-feira, 16.

Confira aqui o review e o vídeo-review de ‘Astro Bot: Rescue Mission’

DLC DE ‘FIREWALL’

Também na próxima terça-feira, 16, estará disponível na PS Store uma DLC de ‘Firewall Zero Hour’. Trata-se de um pacote que libera novos itens e skins para customizar seu personagem e armas “para um estilo completamente novo de jogo”, segundo o blog oficial. Aparentemente, trata-se apenas de itens cosméticos, sem influência no gameplay.

‘MEGALITH’: DATA DE LANÇAMENTO

O blog também divulgou a data de lançamento de do shooter ‘Megalith’: 8 de janeiro de 2019. O jogo vai ganhar uma demo gratuita que estará disponível a partir do dia 13 de novembro.

‘TETRIS EFFECT EM PRÉ-VENDA’

Foi anunciado ainda que ‘Tetris Effect’ já está em pré-venda, com desconto promocional de 10% (saindo por R$ 129,15). Quem comprar na pré-venda também receberá um tema para seu console, sete avatars e um “sampler” da trilha sonora original.

Realmente, foi muita coisa ao mesmo tempo, o que mostra mais uma vez que a Sony embarcou de verdade na realidade virtual e, se outras empresas não fizerem o mesmo, vão ficar para trás.

Parabéns, Playstation VR!

Parabéns a todos os jogadores!

[review] Impecável e divertidíssimo, ‘Astro Bot: Rescue Mission’ vai além de qualquer crítica

Lançado em 2016 no jogo gratuito ‘The Playroom VR’, o jogo de plataforma ‘Robots Rescue’ foi um dos minigames que mais chamaram a atenção dos jogadores do Playstation VR. Durante um bom tempo, os fãs de realidade virtual pediram por um jogo mais completo dos robozinhos. ‘Astro Bot: Rescue Mission’ é a resposta da Sony e do Japan Studio a esse pedido. E não poderia ser melhor. Estamos diante de um dos melhores jogos do Playstation VR, marcando o aniversário de dois anos do headset da Sony. O jogo é exclusivo do PSVR e o review a seguir foi feito usando um Playstation 4 Pro.

Assista ao vídeo-review do canal PSVR Brasil:

HISTÓRIA

Com certeza, a história é o aspecto mais simples do game. Astro Bot e seus amigos robozinhos viviam numa boa até um alien gosmento aparecer e atacar a nave deles. Pra piorar, o vilão espalha as peças da nave em cinco planetas diferentes, junto com seus tripulantes. Caberá ao Astro Bot percorrer esses cinco mundos para resgatar seus amigos, recuperar as peças da nave e derrotar o vilão. Tudo isso com a sua ajuda. Vale salientar que o jogo está todo localizado para o português do Brasil, mas isso nem faria muita diferença, já que não há diálogos, os personagens se comunicam apenas com gritinhos e os tutoriais vêm em forma de vídeo.

VISUAL

‘Astro Bot’ tem um visual de encher os olhos. Tudo nesse mundo em miniatura é muito nítido, com uma definição perfeita para o atual estágio dos headsets de realidade virtual. O Japan Studio fez um trabalho magnífico em termos gráficos, com level design criativo, cenários variados e interativos, inimigos tão carismáticos quanto o protagonista e uma riqueza de detalhes encantadora. Menção especial à iluminação das fases: seu próprio controle pode fazer sombra dentro do jogo. As fases que se passam dentro d’água também dão um show à parte.

IMERSÃO

Ainda há quem ache que jogos de realidade virtual precisam ser em primeira pessoa para serem imersivos. Esse é um grande engano e ‘Astro Bot’ é mais uma prova disso. Você se sente dentro do jogo da mesma maneira que nos jogos em primeira pessoa. O jogo usa uma câmera fixa – onde você é a câmera. Várias vezes será preciso olhar para os lados, para baixo, para cima ou mesmo para trás, para procurar os robozinhos perdidos, camaleões que liberam desafios extras ou mesmo o caminho a seguir. O tracking funciona bem e você poderá até se esgueirar para encontrar o melhor ângulo de visão.

Além disso, você não controla apenas o robozinho. Enquanto jogador, você também tem uma presença ativa dentro do jogo. Alguns inimigos vão tentar te atingir e você terá que desviar. Se não conseguir se esquivar, poderá ficar com a visão cheia de gosma – ou mesmo estilhaçada. Você também vai usar a cabeça para destruir estruturas, cabecear bolas inimigas, entre outras coisas. Em fases com água, seu headset pode até ficar molhado. Um dos momentos mais mágicos é quando aparece uma flor que permite que você assopre suas pétalas. Como eles fizeram isso? Eu não sei. Provavelmente capturando o áudio do microfone ou da Playstation Câmera (eu não estava usando microfone quando isso aconteceu). Aliás, o áudio 3D do jogo também tem papel fundamental na imersão. A trilha e os efeitos sonoros são impecáveis, pontuando cada fase e momento dramático de maneira diferente. Alguns efeitos sonoros também saem do controle – infelizmente, não há opção para desativar essa funcionalidade.

CONTROLES

Você joga usando o Dualshock 4 – não há suporte a outros controles. Os comandos do Astro Bot são bem simples: um botão para pular, outro para dar socos. Aperte o pulo duas vezes para ativar um jato para planar e segure o soco para dar um golpe giratório que pode atingir vários inimigos. Mas, em alguns momentos, o jogador terá alguns comandos extras, usando o touchpad do Dualshock 4. Ele servirá para atirar ganchos com cordas para o robozinho se equilibrar, jogar água ou até estrelinhas ninja. Cada uma dessas “ferramentas” acrescenta uma nova camada de imersão e interatividade no gameplay. Às vezes, será exigido um nível bom de coordenação para controlar o robozinho e utilizar a ferramenta do controle ao mesmo tempo.

GAMEPLAY

‘Astro Bot’ é um jogo de plataforma – o melhor jogo de plataforma que você poderia imaginar. Aliás, espere sempre pelo inesperado. Apesar de serem lineares e geralmente seguirem para frente, as fases escondem vários segredos pelos cantos, o que nos dá bastante liberdade de exploração. Os inimigos têm uma boa variedade e quase todos morrem com apenas um golpe. Mas não os subestime: você também morre com apenas um golpe. Por sorte, cada fase tem uma boa quantidade de check-points, evitando que você tenha que repetir o level inteiro se errar um pulo ou ser atingido por um inimigo.

O jogo traz um total de 20 fases, distribuídas em cinco mundos. A campanha é para apenas um jogador e dura cerca de 6 a 8 horas. Em cada fase, você deve procurar por oito robozinhos perdidos, que às vezes surgem em lugares que parecem impossíveis de alcançar. Mas existem camas elásticas e outros recursos, como destruir paredes, que podem te ajudar. Não é necessário encontrar todos para fechar a fase, mas você terá que achar uma quantidade mínima de robôs para enfrentar o chefe daquele mundo. Cada mundo tem um chefão e o aumentativo não é à toa: os chefões são gigantescos, imponentes, ocupando quase todo seu campo de visão. As lutas contra eles são o maior desafio do jogo, especialmente o quinto chefe e o boss final. Os chefes têm ataques variados e ficam cada vez mais “apelões” quando sofrem dano. Nessas lutas, você só pode morrer duas vezes. Se morrer a terceira, terá que recomeçar.

FATOR REPLAY

‘Astro Bot’ tem apenas um nível de dificuldade, que vai crescendo a cada fase que você passa. Terminar todos os níveis encontrando todos os robozinhos e sem morrer nenhuma vez já é um desafio. Mas cada fase também traz um camaleão escondido, que desbloqueia um desafio extra. Os desafios consistem em terminar uma variante daquela fase dentro do menor tempo possível. Nesses desafios, você vai encontrar perigos que nem imagina. Durante a jogatina, você também encontrará em cada fase uma grande quantidade de moedas, que servem para desbloquear colecionáveis. Cem moedas equivalem a um tíquete para usar na sua máquina de catar colecionáveis, que fica dentro da Astro Ship. Dentro da nave, você interage com os membros da tripulação que já foram resgatados e pode brincar em cenários que reproduzem os mundos do jogo. Isso tudo proporciona um valor de replay grande ao game, especialmente para os caçadores de troféus, já que o game tem platina.


VALE A PENA?

‘Astro Bot’ é o jogo de plataforma que mais me impressionou desde o ‘Super Mario Bros’ do Nintendinho. Para muitos da minha geração, ‘Mario’ foi uma novidade incrível diante dos jogos até então bastante limitados do Atari. É exatamente essa sensação que ‘Astro Bot’ vem resgatar, mas não apenas de forma nostálgica. ‘Astro Bot’ oferece algo novo e não cansa de te surpreender. E faz isso de uma maneira que só a realidade virtual pode fazer. ‘Astro Bot’ é o jogo mais divertido do Playstation VR, com credenciais suficientes para encabeçar a lista de melhores jogos do PSVR até agora. Simplesmente, ele vai além de qualquer nota que eu possa dar. Nota: 11/10 [Imperdível].


Confira o gameplay dos dois primeiros mundos:

FICHA TÉCNICA
Título: ‘Astro Bot: Rescue Mission’
Gênero: Plataforma
Estúdio: Japan Studio/Sony
Plataforma: Playstation VR (exclusivo)
Preço: R$ 149,90 (PS Store BR)
Idioma: Português
Controles suportados: apenas Dualshock 4
Jogadores: 1 (sem modo online)

[Este review foi feito no PS4 Pro, com mídia digital gentilmente cedida pela Sony]

[resultado] Morador de São Paulo é o ganhador da mídia digital de ’18 Floors’

Acabamos de realizar o sorteio da mídia digital do puzzle ’18 Floors’, gentilmente cedida pela Winking Entertainment. E o sorteado foi Cainã Perroti, de São Paulo/SP, que receberá o código no email cadastrado no Gleam.io. Durante o período do sorteio, recebemos um total de 218 inscrições, de 54 participantes de várias partes do Brasil.

Agradeço de coração a todos os que participaram, seja se inscrevendo no nosso canal no YouTube, seguindo nosso Twitter e Twitch ou curtindo nossa página no Facebook. Todas essas ações não são à toa. Elas ajudam a fortalecer nossos meios de comunicação com vocês, aumentam o alcance do nosso blog e do nosso canal e, ainda por cima, nos estimulam a continuar esse trabalho que iniciamos em novembro do ano passado.

A participação de vocês é valiosíssima e garanto para vocês que, quanto mais inscrições tivermos, mais chances teremos de obter mais chaves e realizar novos sorteios. Mais uma vez, muito obrigado!

Não temos empresa de auditoria do sorteio, mas aí vai o print com a tela do resultado:

sorteio_18floors

[review] ‘Creed: Rise to Glory’ acerta em cheio e traz experiência de boxe imperdível

O simulador de boxe ‘Creed: Rise to Glory’ é o quarto jogo de realidade virtual da Survios. Os games anteriores, ‘Raw Data’, ‘Sprint Vector’ e ‘Electronauts’, já puseram a Survios em um patamar de excelência no mundo da realidade virtual. Desta vez, os desenvolvedores colocaram seu talento a serviço de uma franquia de sucesso nos cinemas, que tem o boxe como prato principal. O review a seguir foi feito no Playstation VR, usando o PS4 Pro. O jogo também está disponível para HTC Vive e Oculus Rift.

Assista ao vídeo-review do canal PSVR Brasil:

HISTÓRIA

‘Creed: Rise to Glory’ é baseado no filme ‘Creed: Nascido para Lutar’, de 2015. O longa-metragem é o sétimo da franquia ‘Rocky’ e representa um recomeço para ela. No filme, o jovem boxeador Adonis Creed descobre ser filho de Apollo Creed, ex-adversário de Rocky Balboa e que se tornou um grande amigo do personagem de Sylvester Stallone.
O jogo segue os mesmos passos do filme, mas sem a parte do drama. ‘Creed’ é focado apenas na ação, sem qualquer cutscene ou algo do tipo. No jogo, você vai calçar as luvas de Adonis Creed, enquanto se prepara para seu maior desafio na carreira: enfrentar o campeão mundial Ricky “Pretty” Conlan. No caminho até lá, vai encarar desde um adversário amador que não venceu uma luta sequer, um segurança de boate e um campeão com 38 vitórias no cartel, sendo 36 por nocaute. E vai ter como treinador o próprio Rocky Balboa, dublado por Stallone. O jogo está todo em inglês, sem suporte a outros idiomas ou legendas. Mas isso não será um problema para quem não souber o idioma.

VISUAL E IMERSÃO

‘Creed’ tem ótimos gráficos, mesmo que não seja possível compará-los aos triplo A da atual geração. Mas é um visual agradável, puxando mais para o realismo do que para o cartoon. As animações são bem feitas, assim como os efeitos sonoros e a trilha, encabeçada pelo clássico tema de ‘Rocky’. Tudo isso contribui para fazer o jogador se sentir na pele de Creed. E não é só isso: você controla um avatar de corpo inteiro. Ou seja, não é só um par de luvas flutuando no ar. Isso faz uma tremenda diferença, já que no jogo você É Adonis Creed. Além disso, o jogo reproduz de maneira fiel as mecânicas de uma luta de boxe real – até onde isso é possível.

CONTROLES

O jogo utiliza um par de Moves (não há suporte ao Dualshock 4). Os controles funcionam como as suas luvas, que você utilizará para dar jabs, diretos, cruzados e ganchos. Também é possível bloquear os ataques adversários ou esquivar deles, usando o tracking do headset. Os Moves também tem botões para girar para os lados, usando apenas o giro em graus. O jogo tem ainda uma mecânica para caminhar parecida com a de ‘Sprint Vector’: segure o botão Move e balance os braços para a frente. Para andar pra trás, coloque os braços atrás, segure os botões Moves e faça o movimento inverso. Bem intuitivo. Tem ainda um terceiro movimento para os lados, girando os Moves como se estivesse suingando. Tudo isso é bem explicado dentro do jogo, com vídeos que mostram um modelo executando os movimentos.

GAMEPLAY

É no gameplay que ‘Creed’ se sobressai. No Career Mode, você vai enfrentar sete adversários, em lutas que duram em torno de cinco minutos. Fazendo as contas friamente, pode parecer pouco, mas isso é um engano. Cada combate consome bastante energia e vai colocar você pra suar. Fazer uma pausa para descansar entre elas é altamente recomendado. Fora que o jogo tem três níveis de dificuldade e os adversários ficam mais duros e dão mais dano nas dificuldades mais altas.

Antes de cada luta, você passa por um treino que vai determinar seu nível de “stamina” para o combate. Níveis mais altos de stamina permitem que você dê mais socos antes de cansar. E é preciso ficar bem atento a isso: se você cansar, seus socos ficam mais fracos e mais lentos. O jogo tem outras mecânicas interessantes, como a esquiva: ao desviar de um golpe no momento certo, seu adversário fica em câmera lenta e você ganha um tempinho extra para contra-atacar. Ao ser golpeado em cheio, você fica tonto, e precisa ajustar os Moves para a posição do seu avatar. Por fim, ao ser derrubado, você literalmente sai do corpo e precisa correr em direção a ele antes que a contagem chegue a 10.

MULTIPLAYER

Completando o pacote, ‘Creed’ tem um modo multiplayer online. No PVP, você pode convidar os amigos para o combate ou entrar na sala pública para enfrentar jogadores do mundo todo. Nesse modo, são nove lutadores para escolher: os sete da campanha principal, além de Adonis Creed e Rocky Balboa, no auge da sua juventude. Os lutadores não são diferentes apenas no visual. Cada um tem algumas características ligeiramente distintas dos demais. Alguns têm mais força, enquanto outros têm melhor resistência. Outros têm todas as habilidades equilibradas.

Assista ao vídeo do modo PVP de ‘Creed’ que fizemos junto com o canal Moso PSVR:

VALOR DE REPLAY

Além do PVP e do Career Mode, ‘Creed’ também tem um Free Mode, em que você pode enfrentar qualquer adversário, na dificuldade que quiser e escolhendo o lutador que preferir. Também pode usar a academia para treinar livremente em um dos aparelhos, e comparar seus resultados com os amigos e o placar mundial. Importante destacar também que o jogo tem troféu de platina. E, em termos de enjoo de movimento, não vi nada no game que pudesse causar cinetose.


VALE A PENA?

Jogos baseados em filmes tendem a se tornar caça-níqueis, mas não é o caso de ‘Creed’. Lançado quase três anos depois do primeiro filme e a cerca de dois meses do lançamento do segundo, ‘Creed’ se vale apenas do nome da franquia para oferecer um gameplay consistente, que cumpre bem a tarefa de simular uma luta de boxe em realidade virtual. Suas mecânicas são inteligentes e transmitem, a sensação de estar num ringue real, até onde é possível. O Playstation VR ainda possui poucos jogos de luta no estilo “mano a mano”, mas será muito difícil um oponente superar ‘Creed’. Nota: 10/10 [Excelente].


INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Título: Creed: Rise to Glory
Gênero: Simulador de boxe
Estúdio: Survios
Preço: R$ 107,50 (PS Store BR) | R$ 57,99 (Steam)
Plataformas: Playstation VR (usada neste review), HTC Vive e Oculus Rift
Data de lançamento: 25 de setembro de 2018
Controles suportados: Dois Moves
Idioma: inglês (áudio e interface)
Jogadores: 1 (off-line) | 2 (online)

[Este review foi feito no Playstation VR + PS4 Pro, com mídia digital gentilmente cedida pela Survios]

[review] Com uma trama interessante, ‘Torn’ se perde em um gameplay repetitivo

Fundado há mais de 20 anos, o estúdio Aspyr Media tem se notabilizado por fazer ports para os PCs de franquias famosas, como ‘Call of Duty’, ‘Borderlands’ e ‘Bioshock’. Com esse know-how, o estúdio desenvolveu seu primeiro grande projeto de realidade virtual, ‘Torn’, lançado para Playstation VR, HTC Vive e Oculus Rift. O título se inspira assumidamente em séries como ‘Além da Imaginação’ e ‘Black Mirror’ para contar uma história recheada de mistério, com porções generosas de ficção científica e fantasia. O review a seguir foi feito no PSVR, usando o PS4 Pro.

Assista ao vídeo-review de ‘Torn’:

HISTÓRIA

O jogador entra na pele da blogueira Katherine Patterson, que encontra uma mansão abandonada no meio de uma floresta. O casarão pertence ao Dr. Lawrence Talbot, um cientista desaparecido há mais de 60 anos. Ela entra na mansão e se depara com uma luzinha que afirma ser o Dr. Talbot, agora sem corpo físico. Ele diz que está preso em uma estranha dimensão e sem lembranças do que aconteceu com ele. Caberá a Katherine desvendar o mistério por trás disso e, quem sabe, sair de lá com uma história incrível para contar em seu blog.

VISUAL E IMERSÃO

O visual tem um papel fundamental na imersão que os jogos de realidade virtual podem proporcionar. E ‘Torn’ falha um pouco na questão técnica, exibindo gráficos com serrilhados acima do normal, mesmo dentro de um estilo visual mais realista. Apesar dos ambientes serem muito bem trabalhados, tanto no exterior quanto dentro da mansão, é difícil fechar os olhos para os “serrotes”. Ainda assim, é algo superável, a partir do momento que você se envolve com a história, seus personagens e tenta conectar os fios dessa trama. O visual ganha contornos mais interessantes nos momentos em que você é transportado para uma outra dimensão, cercada de água por todos os lados. O jogo utiliza controles de movimento, proporcionando uma interação mais natural com as centenas de objetos espalhados pela mansão. A trilha sonora impecável, as atuações e os efeitos sonoros também ajudam a imergir o jogador nesse mundo.

Assista ao vídeo de gameplay de ‘Torn’

CONTROLES

No PSVR, só é possível jogar usando um par de Moves. Não há suporte ao Duashock 4. São três sistemas de movimentação: locomoção livre, teleporte e algo que fica no meio do caminho entre os dois, chamado de “dash”. Nele, você acompanha o movimento do seu corpo enquanto se teleporta. No movimento livre, você aperta o botão Move e se locomove na direção para a qual está olhando. Segurando o gatilho ao mesmo tempo, anda mais rápido. Mas não há como andar para trás.

O teleporte e o dash funcionam de maneira quase idêntica, mas o teleporte tradicional é mais indicado para quem sente enjoo de movimento. No entanto, o alcance desses teleportes é curto, obrigando o jogador a se teleportar várias vezes para cobrir distâncias maiores. O giro do corpo é feito em graus, sem opção de giro suave. Usando o teleporte, a chance de sentir cinetose é praticamente zero.

GAMEPLAY

Em termos de gameplay, o jogo consiste em resolver uma série de puzzles, espalhados pelos vários cômodos da mansão. No início, você pode demorar um pouco para entender como eles funcionam, mas depois percebe que esses quebra-cabeças são bem parecidos entre si. Alguns objetos da mansão possuem desenhos em sua base e você precisa encaixá-los em pontos específicos de um circuito. Para isso, você usará a Ferramenta Gravitacional, para carregar os objetos e colocá-los em seus devidos lugares.

Mas o nível de desafio é baixo – seu maior trabalho será encontrar esses objetos, já que são muitos espalhados em cada cômodo. Durante a tarefa, você precisará revirar praticamente todo o ambiente, criando uma verdadeira bagunça. Várias vezes me senti em um episódio daquela série Acumuladores Compulsivos, da TV a cabo. O fato é que poucos puzzles fogem a esse esquema. E você ainda contará com a ajuda da “luzinha”, que às vezes te diz o que é fazer mesmo que você não peça.

VALOR DE REPLAY

A campanha de ‘Torn’ dura em torno de 7 a 8 horas, dependendo da velocidade que você consegue resolver os quebra-cabeças. É uma duração bem acima da média dos jogos de Playstation VR, o que por si só já é um ponto positivo. O jogo possui troféus, não há platina. O valor de replay, portanto, é baixo. ‘Torn’ está todo em inglês, sem legendas em qualquer outro idioma, e sem suporte ao português.


VALE A PENA?

‘Torn’ possui uma história cativante, muito bem contada, que se vale do mistério e de elementos de ficção científica para prender o jogador. Mas é preciso saber inglês para aproveitá-la. O visual serrilhado incomoda e os gráficos parecem ter sido mal otimizados no Playstation VR, especialmente para um jogo que utiliza a Unreal Engine. No entanto, o ponto mais crítico do game são os puzzles, muito repetitivos e pouco desafiadores. Chego até a me questionar se são realmente puzzles. Da forma como está, ‘Torn’ vale muito mais por sua trama do que pelo gameplay. E também pelo desfecho, que vai além de qualquer coisa que você poderia imaginar. Nota: 7,5/10 [Bom]


INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Título: Torn
Estúdio: Aspyr Media (https://www.aspyr.com/games/torn)
Gênero: Puzzle
Lançamento: 28 de agosto de 2018
Plataformas: Playstation VR (usada neste review), HTC Vive e Oculus Rift
Preço: R$ 91,90 (PS Store BR) | R$ 57,99 (Steam)
Idioma: Inglês (dublagem e interface)
Controles: Dois Moves
Jogadores: 1 (sem modo online)

[Este review foi feito no Playstation VR + PS4 Pro, com mídia digital gentilmente cedida pela Aspyr Media]

Assista ao trailer de ‘Torn’ 

[review] Enigmático e intrigante, ‘Transference’ é uma experiência indispensável no Playstation VR

‘Transference’ é o quinto jogo de realidade virtual da Ubisoft, um dos grandes estúdios que mais têm investido nessa área. Dessa vez, a Ubisoft Montreal se uniu ao estúdio SpectreVision, do ator Elijah Wood, para criar um jogo enigmático, que mistura elementos de suspense, puzzles e alguns sustos. O review a seguir foi feito no PS4 Pro, usando o Playstation VR.

Assista à versão em vídeo do review:

HISTÓRIA

No jogo, você entra virtualmente no apartamento de uma família atormentada, enquanto revive as memórias corrompidas de seus integrantes e tenta descobrir o que aconteceu lá. Raymond Hayes, o pai, conduz experimentos científicos na casa. Katherine, a mãe, é uma musicista de sucesso que parece frustrada com o comportamento obsessivo do seu marido. O garoto Ben, por fim, sente muita falta de sua cadela, Laika, que desapareceu. Ele também deixou rabiscos assustadores pelas paredes. O resto da história você terá que descobrir por conta própria, já que este é um dos maiores atrativos do jogo.

IMERSÃO

Depois de experimentar uma centena de jogos de realidade virtual, posso assegurar que ‘Transference’ é uma das experiências mais imersivas do Playstation VR. Isso se deve a um grau de definição gráfica perfeito, com serrilhados quase imperceptíveis, ausência total de borrados e uma nitidez incomparável. O áudio contribui para criar uma atmosfera de mistério que faz você se sentir dentro de um episódio da famosa série ‘Black Mirror’. Esta imersão só é prejudicada pela ausência de controles de movimento, o que impede que você interaja de maneira mais natural e realista com objetos, estantes, gavetas, etc. Seu personagem também não tem corpo nem braços, o que soa um pouco estranho.

transference_review

CONTROLES

Você joga usando o Dualshock 4. Não há suporte aos Moves. A locomoção é livre, sem uso de teleporte. Para quem sente enjoo em realidade virtual, há várias opções anti-cinetose, incluindo o giro em graus e a vinheta que reduz o campo de visão (conhecida como “blinder”). Além disso, a movimentação é lenta, o que também ajuda a reduzir o desconforto. Para quem não tem esse problema, a notícia ruim é que não tem um botão pra andar mais rápido.

GAMEPLAY

Seu objetivo será explorar a casa, resolver puzzles e encontrar objetos para entrar em todos os cômodos do apartamento. Mas não é tão simples: realidades distintas se misturam e você terá que alternar entre elas para seguir em frente. A história é contada através dos documentos que você encontra pelo caminho, além de vídeos, áudios e rápidos encontros com membros da família. O jogo possui várias opções de idiomas. Uma delas é o português do Brasil, com opções de dublagem e legendas. O jogo tem troféus e coletáveis, mas não há platina. A campanha dura cerca de 1h30 a 2 horas.

Confira o nosso gameplay no canal PSVR Brasil:

PLATAFORMAS

O game está disponível para Playstation 4, Xbox One e PCs. Tem suporte para realidade virtual nos headsets Playstation VR, HTC Vive e Oculus Rift. O jogo possui ainda uma demo gratuita, que complementa a história principal e traz outros personagens..

Clique aqui e baixe a demo de ‘Transference’ na PS Store do Brasil


VALE A PENA?

‘Transference’ tem gráficos lindos e proporciona uma imersão incomparável em realidade virtual. Sem dúvida, estamos diante de algo que não se vê todos os dias no Playstation VR. No entanto, a ausência de controles de movimento prejudica um pouco a interação com o mundo do jogo. Além disso, a campanha é curta e dura tanto quanto um filme de longa-metragem. Mas, diante de um final intrigante, é quase certo que você vai querer jogar de novo. No final das contas, ‘Transference’ é uma experiência de realidade virtual indispensável. Nota: 9/10 [Excelente].


INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Título: Transference
Estúdio: Ubisoft Montreal e SpectreVision (https://www.ubisoft.com/pt-br/game/transference)
Gênero: Thriller, exploração
Lançamento: 18 de setembro de 2018
Plataformas: Playstation VR (usada neste review), HTC Vive e Oculus Rift [realidade virtual] | Playstation 4, Xbox One e PCs [tela plana]
Preço: R$ 76,90 (PS Store BR) | R$ 79,99 (Steam)
Idioma: Português (dublagem, legendas e interface)
Controles: Dualshock 4
Jogadores: 1 (sem modo online)

[Este review foi feito no Playstation VR + PS4 Pro, com mídia digital cedida pela Ubisoft]

Assista ao trailer de ‘Transference’