Reviews

[review] Com uma trama interessante, ‘Torn’ se perde em um gameplay repetitivo

Fundado há mais de 20 anos, o estúdio Aspyr Media tem se notabilizado por fazer ports para os PCs de franquias famosas, como ‘Call of Duty’, ‘Borderlands’ e ‘Bioshock’. Com esse know-how, o estúdio desenvolveu seu primeiro grande projeto de realidade virtual, ‘Torn’, lançado para Playstation VR, HTC Vive e Oculus Rift. O título se inspira assumidamente em séries como ‘Além da Imaginação’ e ‘Black Mirror’ para contar uma história recheada de mistério, com porções generosas de ficção científica e fantasia. O review a seguir foi feito no PSVR, usando o PS4 Pro.

Assista ao vídeo-review de ‘Torn’:

HISTÓRIA

O jogador entra na pele da blogueira Katherine Patterson, que encontra uma mansão abandonada no meio de uma floresta. O casarão pertence ao Dr. Lawrence Talbot, um cientista desaparecido há mais de 60 anos. Ela entra na mansão e se depara com uma luzinha que afirma ser o Dr. Talbot, agora sem corpo físico. Ele diz que está preso em uma estranha dimensão e sem lembranças do que aconteceu com ele. Caberá a Katherine desvendar o mistério por trás disso e, quem sabe, sair de lá com uma história incrível para contar em seu blog.

VISUAL E IMERSÃO

O visual tem um papel fundamental na imersão que os jogos de realidade virtual podem proporcionar. E ‘Torn’ falha um pouco na questão técnica, exibindo gráficos com serrilhados acima do normal, mesmo dentro de um estilo visual mais realista. Apesar dos ambientes serem muito bem trabalhados, tanto no exterior quanto dentro da mansão, é difícil fechar os olhos para os “serrotes”. Ainda assim, é algo superável, a partir do momento que você se envolve com a história, seus personagens e tenta conectar os fios dessa trama. O visual ganha contornos mais interessantes nos momentos em que você é transportado para uma outra dimensão, cercada de água por todos os lados. O jogo utiliza controles de movimento, proporcionando uma interação mais natural com as centenas de objetos espalhados pela mansão. A trilha sonora impecável, as atuações e os efeitos sonoros também ajudam a imergir o jogador nesse mundo.

Assista ao vídeo de gameplay de ‘Torn’

CONTROLES

No PSVR, só é possível jogar usando um par de Moves. Não há suporte ao Duashock 4. São três sistemas de movimentação: locomoção livre, teleporte e algo que fica no meio do caminho entre os dois, chamado de “dash”. Nele, você acompanha o movimento do seu corpo enquanto se teleporta. No movimento livre, você aperta o botão Move e se locomove na direção para a qual está olhando. Segurando o gatilho ao mesmo tempo, anda mais rápido. Mas não há como andar para trás.

O teleporte e o dash funcionam de maneira quase idêntica, mas o teleporte tradicional é mais indicado para quem sente enjoo de movimento. No entanto, o alcance desses teleportes é curto, obrigando o jogador a se teleportar várias vezes para cobrir distâncias maiores. O giro do corpo é feito em graus, sem opção de giro suave. Usando o teleporte, a chance de sentir cinetose é praticamente zero.

GAMEPLAY

Em termos de gameplay, o jogo consiste em resolver uma série de puzzles, espalhados pelos vários cômodos da mansão. No início, você pode demorar um pouco para entender como eles funcionam, mas depois percebe que esses quebra-cabeças são bem parecidos entre si. Alguns objetos da mansão possuem desenhos em sua base e você precisa encaixá-los em pontos específicos de um circuito. Para isso, você usará a Ferramenta Gravitacional, para carregar os objetos e colocá-los em seus devidos lugares.

Mas o nível de desafio é baixo – seu maior trabalho será encontrar esses objetos, já que são muitos espalhados em cada cômodo. Durante a tarefa, você precisará revirar praticamente todo o ambiente, criando uma verdadeira bagunça. Várias vezes me senti em um episódio daquela série Acumuladores Compulsivos, da TV a cabo. O fato é que poucos puzzles fogem a esse esquema. E você ainda contará com a ajuda da “luzinha”, que às vezes te diz o que é fazer mesmo que você não peça.

VALOR DE REPLAY

A campanha de ‘Torn’ dura em torno de 7 a 8 horas, dependendo da velocidade que você consegue resolver os quebra-cabeças. É uma duração bem acima da média dos jogos de Playstation VR, o que por si só já é um ponto positivo. O jogo possui troféus, não há platina. O valor de replay, portanto, é baixo. ‘Torn’ está todo em inglês, sem legendas em qualquer outro idioma, e sem suporte ao português.


VALE A PENA?

‘Torn’ possui uma história cativante, muito bem contada, que se vale do mistério e de elementos de ficção científica para prender o jogador. Mas é preciso saber inglês para aproveitá-la. O visual serrilhado incomoda e os gráficos parecem ter sido mal otimizados no Playstation VR, especialmente para um jogo que utiliza a Unreal Engine. No entanto, o ponto mais crítico do game são os puzzles, muito repetitivos e pouco desafiadores. Chego até a me questionar se são realmente puzzles. Da forma como está, ‘Torn’ vale muito mais por sua trama do que pelo gameplay. E também pelo desfecho, que vai além de qualquer coisa que você poderia imaginar. Nota: 7,5/10 [Bom]


INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Título: Torn
Estúdio: Aspyr Media (https://www.aspyr.com/games/torn)
Gênero: Puzzle
Lançamento: 28 de agosto de 2018
Plataformas: Playstation VR (usada neste review), HTC Vive e Oculus Rift
Preço: R$ 91,90 (PS Store BR) | R$ 57,99 (Steam)
Idioma: Inglês (dublagem e interface)
Controles: Dois Moves
Jogadores: 1 (sem modo online)

[Este review foi feito no Playstation VR + PS4 Pro, com mídia digital gentilmente cedida pela Aspyr Media]

Assista ao trailer de ‘Torn’ 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s