Modo “battle royale” de ‘Rec Room’ entra em teste alpha nesta sexta-feira

Os jogos multiplayer em esquema de “battle royale” são a grande moda do momento no mundo dos games, com sucesso comprovado por títulos como ‘Battleground’, ‘Fortnite’ e ‘H1Z1’. Pois os headsets de realidade virtual, incluindo aí o Playstation VR (PSVR), vão ganhar seu primeiro “battle royale”, dentro do game gratuito ‘Rec Room’. O modo, batizado de ‘Rec Royale’, vai passar por uma fase de testes alpha que começa já nesta sexta-feira, 25, e vai até o próximo domingo, 27 de maio. A notícia foi divulgada pela própria desenvolvedora do game, Against Gravity, no blog oficial do Playstation.

O lançamento do modo ‘Rec Royale’ está marcado para o dia 7 de junho deste ano. ‘Rec Royale’ é uma DLC gratuita que vai reunir 16 jogadores em um mesmo lobby, em partidas no esquema “cada um por si”. Os jogadores estarão em uma espécie de parque ambiental e terão que procurar por suprimentos, como armas e munições, para vencer seus adversários. O último jogador de pé vence a partida.

No artigo para o PS Blog, Shawn Whiting, designer de comunidade da Against Gravity, conta que, assim como o game base o ‘Rec Royale’ é gratuito e não é necessário ter assinatura da PS Plus para jogar. “Os jogadores que fizerem o login com o PlayStation Plus receberão uma skin de rifle de paintball exclusiva, mas o ‘Rec Room’ não requer o PlayStation Plus”, explica Shawn.

O designer adianta ainda que quem quiser testar o novo modo durante a alpha precisa ter uma conta de ‘Rec Room’ registrada. “Gostaríamos muito de ouvir o feedback de vocês durante esta fase de testes públicos através do subreddit da ‘Rec Room’ e do servidor Discord”, destaca Shawn.

Ele conta que as criações e sugestões dos jogadores de ‘Rec Room’ foram fundamentais para o desenvolvimento deste novo modo “battle royale”. “Essas salas criadas pelos jogadores, junto com o feedback persistente da comunidade, nos deram um sinal claro de que os jogadores estavam querendo muito algo como ‘Rec Royale’. Assim que o ‘Rec Royale’ for lançado, estará disponível para todos os jogadores para modificar e criar suas próprias salas personalizadas”, descreve.

‘Rec Room’ é cross-platform entre Playstation VR, Oculus Rift, HTC Vive e Windows Mixed Reality. O jogo pode ser baixado gratuitamente na PS Store. Para jogar, é obrigatório o uso de dois PS Moves.

[review] ‘Knockout League’: um longo e suado caminho até o cinturão mundial

‘Knockout League’ é o primeiro simulador de boxe para o Playstation VR (PSVR) – e antes de mais nada quero dizer que no geral é um ótimo jogo. Mas confesso que demorei a postar este review por um motivo um tanto embaraçoso: o jogo é difícil pra cacete! Por mais que eu tente, não consigo passar da quarta fase. Então, vocês vão me desculpar, mas este review vai ficar um tanto quanto incompleto, já que nem sonho em chegar ao último adversário – que imagino ser um polvo com uma luva em cada tentáculo. Só de imaginar ter que enfrentá-lo, já bate a canseira.

E basicamente é disso que ‘Knockout League’ se trata: um jogo onde você vai suar, meu amigo. E às vezes esse suor não será recompensador, infelizmente. Porque você pode sair derrotado quando soar o gongo. Mas será que sou eu que sou “arregão”? Bom, vamos às estatísticas: de acordo com os troféus da PSN, 89% dos jogadores venceram a primeira luta – que é bem simples, aliás. No entanto, apenas 40% terminaram o primeiro circuito do jogo, o “Pro Champ”, composto pelos 3 primeiros adversários. E somente 3% completaram o circuito seguinte, “Superstar Circuit”, composto por outros 3 adversários. Nesse meio, está este que vos fala. Pode ser só uma curiosidade, mas ninguém platinou o jogo até agora. Isso mesmo, ninguém.

Então, eu diria que a dificuldade é o principal problema de ‘Knockout League’ (talvez o único). No geral, o título do estúdio Grab Games é muito bem polido. Gráficos bonitos em estilo cartoon, som e música excepcionais, lembrando o clássico “Rocky” e um treinador engraçado e simpático que te ensina tudo o que você precisa para sair vencedor dentro dos ringues. Além dos tutoriais básicos, o jogo oferece modos de treino bem interessantes, onde você poderá testar seus reflexos em exercícios que às vezes lembram os treinos tradicionais das academias de boxe e às vezes não são nada ortodoxos.

Para jogar, você precisará de um par de Move Controllers (o Dualshock 4 não é suportado), que vão se transformar em suas luvas de boxe. A sensação de estar segurando luvas é bem real, só faltava um pouco de peso (mas claro que isso é impossível na etapa atual da RV). Dentro do ringue, você ficará o tempo todo estático. É possível se movimentar para os lados usando seus pés e o adversário vai te acompanhar, mas isso tem um certo limite imposto pela câmera do PSVR e a área de jogo.

Diferente do boxe real, as lutas de ‘Knockout League’ são compostas por um único round de seis minutos. Para vencer, você precisa derrubar o adversário três vezes. Barras de vida em cada corner mostram quanto sobra de vida pra você e para o adversário. E é aí que mora um dos problemas do jogo no quesito dificuldade: com quatro socos, o adversário te derruba (o famoso ‘knock down’). Para você conseguir derrubar os adversários do 2º circuito, vai penar, meu amigo. Contando por alto, será preciso acertar uns 30 socos para derrubá-lo uma vez. Considerando que você tem que derrubar o maldito três vezes, fica só “um pouco” desnivelado, não acham?

Mas esse não é o único problema. Para acertar o adversário, você precisa contragolpear, porque se tentar socar antes dele, ele irá bloquear. Então, a mecânica em geral é basicamente esta: espere seu adversário socar, defenda (ou esquive) e depois soque-o na cara, quando ele abrir a guarda. Mas nem sempre será assim tão simples. Às vezes é muito difícil prever de onde vem o golpe e para onde ele vai. Alguns adversários “telegrafram” bastante (nas artes marciais, “telegrafar” significa mostrar, involuntariamente, qual o golpe que você está desferindo). Mas contra outros você só aprenderá com o tempo, depois de apanhar muito.

A variedade de adversários vai aumentando a cada combate e as habilidades deles também. Enquanto isso, você utilizará apenas seus socos (que efetivamente não terão muita diferença, independente se são jabs, diretos, ganchos ou cruzados), além de bloqueios e esquivas.

Por fim, há algo importante que o público brasileiro precisa estar ciente: o jogo está todo em inglês, sem opções de legendas ou áudio em português. E saber pelo menos algumas palavras em inglês será importante para entender o que o seu instrutor está falando e as dicas que são dadas antes de cada luta.

VEREDITO

Como eu disse lá no início, ‘Knockout League’ é um ótimo jogo. É uma pena ser tão difícil. Poderiam ter incluído um easy mode, diminuindo o número de vezes que você tem que acertar o adversário até levá-lo ao chão. Mas não tem. Então, torna-se bastante cansativo (o uso de ar condicionado é quase que obrigatório e ainda assim seu headset estará molhado de suor no final da luta). Acaba se tornando um jogo em que você tem que “aproveitar o caminho” em vez de ficar ansiando pelo destino final. E aprender que será preciso levar muito na cara até conquistar o topo do boxe mundial. Nota: 8,0.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Jogo: Knockout League
Estúdio: Grab Games(www.knockoutleaguevr.com)
Gênero: Simulador de boxe
Data de lançamento: 13 de fevereiro de 2018
Plataformas: Playstation VR (usada neste review), HTC Vive, Oculus Rift e Windows MR
Preço: US$ 29,99 (PS Store EUA) [Não disponível na PS Store Brasil]
Tamanho do download: 3,94 GB
Idioma: Inglês (aúdio e textos – sem legendas)
Controles suportados: Um par de Playstation Move Controllers (sem suporte ao Dualshock 4)
Jogadores: 1

[Este review foi feito com jogo digital cedido pela Grab Games]

Assista ao trailer de lançamento de ‘Knockout League’

Inscreva-se grátis na beta fechada do FPS tático ‘ZerOKilled’

O ano de 2018 vem recheado de lançamentos focados no multiplayer PVP (player vs. player) e o que é melhor: com suporte à Aim Controller. Um destes jogos que vem sendo aguardados com ansiedade por nós jogadores é ‘ZerOKilled’ (anteriormente chamado de ‘Special Forces’), do estúdio polonês VR Visio Games. O game está com inscrições abertas para sua beta, que ainda não tem data para acontecer.

Clique aqui e inscreva-se na beta de ‘ZerOKilled’

[Can not you understand? Use the Google Translate button, on the right side (on PCs) or below the text (on smartphones and tablets)]

‘ZerOKilled’ é um FPS (first-person shooter) tático que reunirá jogadores de Playstation VR, HTC Vive, Oculus Rift e Windows MR em sistema de “cross-platform”. O site oficial do jogo não traz nenhuma informação sobre o título, mas a página do game na Steam apresenta ‘ZerOKilled’ como um “um shooter tático multiplayer em VR, onde você pode enfrentar outros jogadores em simulações virtuais como um verdadeiro ‘Mergulhador de PVP’, ou realizar operações especiais enquanto toma controle dos Pawns – corpos artificialmente aprimorados”, diz o texto.

Os desenvolvedores afirmam ainda que o jogo proporciona “uma jogabilidade imersiva sem os pontos fracos de muitos títulos similares”. Eles destacam que o jogo não utilizará nenhum método de teleporte – “nada de oponentes teleportando de surpresa nas suas costas!”.

Além de uma variedade de armas, ‘ZerOKilled’ terá vários “equipamentos que tornam o combate tático. Sete tipos de granadas, sensores de movimento, câmeras de mão e todas as outras ferramentas que as forças especiais utilizam”. Os desenvolvedores dizem ainda que o título terá vários modos multiplayer, sem detalhar quais.

Assista ao trailer de ‘ZerOKilled’

Com suporte à aim, ‘Shadowcore’ quer ser um ‘Overwatch’ em realidade virtual

Na página oficial do jogo no Facebook, está escrito com todas as letras: “Você sabia que nosso objetivo é nos tornar um ‘Overwatch VR’?” Pois é. É assim que equipe de desenvolvimento do estúdio Serebrum Lab descreve o game ‘Shadowcore’, que deve ser lançado no ano que vem, para Playstation VR (PSVR), HTC Vive, Oculus Rift e Windows Mixed Reality.

Siga o blog PSVR Brasil e receba notícias como essa!

[Can not you understand? Use the Google Translate button, on the right side (on PCs) or below the text (on smartphones and tablets)]

Em nota enviada ao blog PSVR Brasil, o estúdio confirmou o suporte à Aim Controller para o jogo. Eles não deram muitos detalhes da produção, mas responderam o seguinte: “Nós vamos dar suporte à Aim Controller. Acreditamos que em janeiro ou fevereiro do ano que vem, vamos portar o jogo para PSVR”. Em breve, o estúdio deve realizar a beta fechada do game.

Sobre a comparação com ‘Overwatch’, a equipe de desenvolvimento afirma: “‘Overwatch’ gira em torno de habilidades de personagem e modos de jogo. E estamos trabalhando em novos personagens e modos de jogo”.

O jogo já está disponível para venda na Steam, em acesso antecipado (o chamado “early access” – quando o jogo não está totalmente pronto, mas se encontra em um estado avançado de produção).

Em sua fase atual, de acordo com o site oficial, o jogo oferece dois mapas, três modos de jogo diferentes e três classes de personagens, cada um com uma arma principal com tiro alternativo, arma de pulso e uma habilidade especial. O jogo tem locomoção livre e multiplayer online/local de 5 contra 5.

Com uma pitada de cyberpunk e inspiração assumida no universo de ‘Ghost in the Shell’, o jogo se passa em um futuro controlado por grandes corporações.

Assista ao trailer do game:

 

Snow Fortress traz experiência divertida com bolas de neve

Quem mora em boa parte deste “país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza” não sabe o que é brincar de brincar de guerra de bolas de neve. Pois é esta experiência que o estúdio indie Mythical City Games, do Canadá, traz no jogo Snow Fortress, recém-lançado para o Playstation VR (há ainda versões para o HTC Vive, Oculus Rift e Windows Mixed Reality).

[Can’t you understand? Use the Google Translate button, on the right side (on PCs) or below the text (on smartphones and tablets)]

O game traz três modos de jogo. No primeiro deles, você constrói o seu “forte” com blocos de gelo (em uma mecânica que lembra Tumble VR) e precisa derrubar o boneco de neve que está do outro lado. Conforme vai passando de fase (são 20 ao todo), você vai ganhando novas ferramentas, como um estilingue, um borrifador para consertar seus blocos, um escudo e até uma “metralhadora” de bolas de neve. Os inimigos vão aumentando de dificuldade e de número, construindo fortalezas quase intransponíveis.

Jogando neste modo, você libera o “survival mode”. Nele, você constrói sua fortaleza e tem que derrotar bonecos de neve que vêm em sua direção. Diferente do modo principal, não há fortalezas do lado adversário. Você só tem que se preocupar em não ser atingido, derrubar os bonecos de neve e ir melhorando o seu forte. Para isso, uma caixa verde à sua direita vai soltando constantemente blocos de gelo em formatos que vão lembrar o icônico Tetris.

O terceiro modo ganha contornos de game de estratégia em tempo real. Desta vez, você não estará “de corpo presente” na ação, mas terá que posicionar estrategicamente seus bonecos de neve e seus blocos para defender sua fortaleza contra as hordas de inimigos. A visão passa a ser em 3ª pessoa, semelhante a games como Tethered e Dino Frontier.

Os três modos trazem mecânicas simples e divertidas, que tendem a agradar em cheio às crianças. A presença da raposa Fox e a trilha sonora enfatizam a pegada infantil do game. Mas não é raro sentir que está voltando a ser criança ao jogar Snow Fortress. Afinal, quem aqui nunca sonhou em brincar na neve? Aliás, levar uma bolada virtual bem no meio da cara gera automaticamente uma vontade de se vingar. É fatal!

Jogos de realidade virtual oferecem experiências únicas e isso não é diferente com Snow Fortress. Pelo seu estilo de jogo, é até difícil de classificá-lo dentro de um dos gêneros tradicionais. Na página da PS Store dos Estados Unidos (o game ainda não saiu para a PSN do Brasil), ele é apresentado como “action shooter”. Mas acho mais apropriada a denominação “simulador”. Afinal, é um simulador de guerra de bolas de neve, certo?

Os desenvolvedores da Mythical City ainda trabalham para acrescentar o modo multiplayer à versão do PSVR, que já existe para os PCs. Sem dúvida, será uma bela adição, que promete tornar as partidas ainda mais divertidas.

VEREDITO

Com uma equipe bastante reduzida (ela cabe com sobras em uma folha de papel), a Mythical Games fez um game bem polido, com mecânicas simples e controles que respondem bem aos seus movimentos. Os desenvolvedores do estúdio canadense acertam em cheio em cumprir com o que prometem: uma experiência divertida com bolas de neve. A (temporária) ausência do multiplayer no PSVR tira um pouco do apelo do jogo, mas não o invalida. Então, coloque seu ar condicionado no máximo e prepare-se para derrubar muitos bonecos de neve! Nota: 8,0.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Jogo: Snow Fortress (Mythical City Games)
Gênero: Simulador
Plataforma analisada: PSVR (disponível também para Oculus Rift, HTC Vive e Windows Mixed Reality)
Preço: US$ 14,99 (na PS Store dos EUA)
Tamanho do download: 441 MB
Idioma: inglês (dublagem e interface)
Controles suportados: apenas PS Moves

[Este review foi feito com uma cópia digital do game cedida pela Mythical Games Studio. Agradecimento especial a Jedrzej Jonasz.]

Assista ao trailer do jogo: